O Professor tira dúvidas

Março 20 2009

0

 

1 O cavaleiro da Dinamarca

2 Sophia de Mello Breyner Andresen

3 cavaleiro

4 fiel, corajoso

5 um cavaleiro faz uma promessa de passar o Natal em Belém e tem de viajar desde a dinamarca a Belém, passando por várias cidades até regressar a casa.

6 Dinamarca

8 2 anos

9 promessa do cavaleiro

10 festa em que se celebra o nascimento de Cristo

 

I

1. FVVF, justificações de acordo com o texto

2 O Narrador é ausente, subjectivo, com conhecimentos ilimitados. Conta a história na 3ª pessoa do singular, toma posição e conhece vários detalhes sobre a história que conta.

3 O episódio passa-se numa praia africana.

4 Uma vez que se passa durante os descobrimentos, deve ser à volta do séc. XVI.

5 resposta livre

6 resposta livre

 

II

 

a3

b1

c4

d5

 

III

 

resposta livre

publicado por OPTD às 11:53

Março 20 2009

 

Grupo 0 – Verificação de leitura
 
Indica as informações seguintes relativas à obra estudada em aula  na tua folha de teste:
 
1. título do conto
2. nome do autor
3. personagem principal
4. caracterização psicológica
5. Resumo do conto (3 linhas MÀXIMO)
6. local de partida da viagem
7. local de chegada final
8. duração da viagem
9. motivo da viagem
10. definição de NATAL (3 linhas MÁXIMO)
 
 
Grupo I – Compreensão Escrita
 
Lê o texto no verso desta página.
 
 
 
1.       Assinala com V (verdadeiro) ou F (falso) as seguintes afirmações e corrige as falsas:
 
a) Este episódio passa-se na América.
b) As duas personagens têm medo uma da outra.
c) O português só queria paz com o africano.
d) Os dois entenderam-se sem dificuldades de comunicação.
 
RESPOSTAS COMPLETAS!!!
 
2. Classifica o tipo de narrador do texto e justifica a tua resposta.
3. Descreve o local onde se passa a cena.
4. Quando se terá passado este encontro? Justifica.
5. Por que razão não se entenderam os homens? Apresenta soluções para esta situação.
 
 
Grupo II - Funcionamento da Língua
 
1.      Associa uma letra a um número (há dois números a mais). Responde na folha de teste!:
 

A eu viajo
1 pretérito perfeito indicativo
B tu viajaste
2 pretérito mais-que-perfeito indicativo
C ele viajava
3 presente do indicativo
D nós viajaremos
4 pretérito imperfeito indicativo
 
5 futuro indicativo
 
6 condicional

 
  
 
Grupo III – Expressão Escrita
 
Escolhe uma opção, indica-a na tua folha de teste e constrói um TEXTO (mínimo de 15 linhas). 
 
A.     Completa o texto apresentado no grupo I de modo que este tenha um final coerente.
 
B.     Conta uma viagem que tenhas feito ou que gostarias de fazer, referindo lugares, costumes, tradições… que tenhas gostado ou não.
 
Bom trabalho!
José Miranda©
 
publicado por OPTD às 11:53

Março 20 2009

A Primavera chegou. Aproveita-a!

 

 

publicado por OPTD às 11:51

Março 18 2009

 

 

 

 

Ora aqui vai um pensamento brilhante:

Era uma vez uma cobra que começou a perseguir um pirilampo. Ele fugia com medo da feroz predadora, mas a cobra não desistia.

Um dia, já sem forças, o pirilampo parou e disse à cobra:
- Posso fazer três perguntas?
- Podes. Não costumo abrir esse precedente, mas já que te vou comer, podes perguntar.
- Pertenço à tua cadeia alimentar?
- Não.
- Fiz-te alguma coisa?
- Não.
- Então porque é que me queres comer?
- PORQUE NÃO SUPORTO VER-TE BRILHAR!!!

E é assim....
Diariamente, tropeçamos em cobras!

 

 

 

 

 



publicado por OPTD às 22:25
Tags:

Março 18 2009

A 19 de Março, comemora-se o dia de S. José e, por isso, o dia de todos os pais.

 

http://web.educom.pt/pr1305/pai_diadopai.htm

 

 

publicado por OPTD às 22:12

Março 17 2009

Ficha de trabalho n.º
Disciplina: Língua Portuguesa
Tema – Expressão escrita
Ano/turma:
Professor:
Data:
Velha Fábula em Bossa Nova
I. Atenta na mancha gráfica do texto e na indicação bibliográfica.
1. Refere:
1.1. o nome do autor do poema Velha Fábula em Bossa Nova;
1.2. o título do livro de onde foi retirado o poema;
1.3. a editora do livro.
Velha Fábula em Bossa Nova
Minuciosa formiga
não tem que se lhe diga:
leva a sua palhinha
asinha, asinha.
Assim devera eu ser
e não esta cigarra
que se põe a cantar
e me deita a perder.
Assim devera eu ser:
de patinhas no chão,
formiguinha ao trabalho
e ao tostão.
Assim devera eu ser
se não fora
não querer.
………………
Alexandre O'Neill, Palavras de Cristal, Lisboa, Ed. Plátano (Selecção de Fernanda Camacho)

1. minuciosa - faz tudo com muito rigor e atenção.
2. asinha - depressa (advérbio).

2. Lê o poema Velha Fábula em Bossa Nova.
2.1. Este poema faz-te lembrar uma "Velha Fábula " conhecida. Porquê?
2.2. Reconta-a resumidamente.

3. Agora atenta exclusivamente no poema.
3.1. Qual a característica fundamental do retrato da formiga?
3.2. Que sentimentos desperta a "formiguinha" no sujeito poético?
3.3. "Assim devera eu ser:/ de patinhas no chão".
3.3.1. Explica por palavras tuas este desejo do sujeito poético.

4. Transcreve o verso em que o sujeito poético faz uma acusação à cigarra.
4.1. Explica em que consiste essa acusação.

5. Contudo, na última estrofe, o sujeito poético faz uma afirmação inesperada.
Porquê?

6. Então qual é a "lição de moral" contida no poema.
6.1. Concordas com ela? Justifica a tua opinião.

7. Explica o sentido das seguintes expressões populares:
7.1. Segue a formiga se queres viver sem fadiga.
7.2. O teu inimigo é pequeno como uma formiga, mas guarda-te dele como se fosse um elefante.

8. Diz se concordas com as ideias nelas contidas.

9. Faz corresponder aos seis elementos da coluna A seis elementos da coluna B, de modo a obteres afirmações verdadeiras.
A
B
1)
"minuciosa formiga"
a)
pronome pessoal (sujeito)
2)
"tem que se lhe diga"
b)
pronome possessivo
3)
"assim devera eu ser"
c)
adjectivo qualificativo, grau normal
4)
"Leva a sua palhinha"
d)
nome abstracto
5)
"devera ser"
e)
pronome pessoal (Complemento Indirecto)
6)
"se lhe diga"
f)
forma verbal no futuro do indicativo.
g)
determinante possessivo.
h)
forma verbal no pretérito-mais-que-perfeito.
i)
forma verbal no presente do conjuntivo.

1. ________ 2. ________ 3. _______ 4. _______ 5. _______ 6. _______

 

 

"Poema do coração" - Ficha de trabalho
 
Ficha de trabalho n.º
Disciplina: Língua Portuguesa
Tema – Expressão escrita
Ano/turma:
Professor:
Data:
Poema do coração
Lê, com muita a tenção, o poema que se segue.
Poema do Coração
Eu queria que o Amor estivesse realmente no coração,
e também a Bondade,
e a Sinceridade,
e tudo, e tudo o mais, tudo estivesse realmente no coração.
Então poderia dizer-vos:
"Meus amados irmãos,
falo-vos do coração",
ou então:
"com o coração nas mãos".
Mas o meu coração é como o dos compêndios.
Tem duas válvulas (a tricúspida e a mitral)
e os seus compartimentos (duas aurículas e dois ventrículos).
O sangue ao circular contrai-os e distende-os
segundo a obrigação das leis dos movimentos.
Por vezes acontece
ver-se um homem, sem querer, com os lábios apertados,
e uma lâmina baça e agreste, que endurece
a luz dos olhos em bisel cortados.
Parece então que o coração estremece.
Mas não.
Sabe-se, e muito bem, com fundamento prático,
que esse vento que sopra e ateia os incêndios,
é coisa do simpático.
Vem tudo nos compêndios.
Então, meninos!
Vamos à lição!
Em quantas partes se divide o coração?
António Gedeão, Poesias Completas, Sá da Costa Ed.
Responde ao questionário.
1. Faz o levantamento do vocabulário que se refere ao coração enquanto órgão do corpo humano.
1.1. Selecciona os vocábulos que remetem para os sentimentos do coração.

2. Explica o sentido das expressões:
2.1. "falo-vos do coração"
2.2. "com o coração nas mãos"

3. Dá dois exemplos de expressões e/ou provérbios em que apareça a palavra coração.

4. Quais os sentimentos que o sujeito poético gostaria que estivessem no coração?
4.1. Que outro sentimento pensas que ele gostaria de incluir quando refere "e tudo, e tudo o mais"?

5. Identifica e explica o valor expressivo do recurso estilístico presente no seguinte verso: "Mas o seu coração é como o dos compêndios."

6. Achas que o poema dá resposta à pergunta do último verso?
6.1. Justifica devidamente a tua opinião.

7. Identifica a classe dos vocábulos sublinhados:
"Eu queria que o Amor estivesse realmente no coração,"
"Em quantas partes se divide o coração?"

8. Analisa sintacticamente o verso: "Vem tudo nos compêndios."

9. Num pequeno texto, em prosa ou em verso, caracteriza o "teu coração"!
 
publicado por OPTD às 22:14
Tags:

Março 13 2009

http://www.netsaber.com.br/resumos/list_autores_l_a.html

 

 

publicado por OPTD às 19:05

Março 13 2009

Escola Básica 2, 3 ______________________________

Língua Portuguesa

Nome ____________________________________, nº___, ____º ano, turma _____

 

 

Lê atentamente o texto da página 32 do manual e responde com correcção e clareza às questões seguintes na tua folha de teste.
Grupo I – Compreensão Escrita
1.       Assinala com V (verdadeiro) F (falso) as seguintes afirmações :
 
a) Há cada vez mais jovens a ir ao cinema.
b) Os mais velhos preferem DVD’s.
c) Em Portugal, os filmes são bastante promovidos.
d) Os filmes infantis têm pouco sucesso.
2. Identifica o tipo de texto jornalístico que leste.
3. Quais são as suas características/objectivos principais?
4. Em quantas partes se pode dividir? Indica-as.
5. Completa o quadro :

Quem?
O quê?
Quando?
Onde?
 
 
 
 
 
 

 

Como?
Porquê?
 
 
 

 
Grupo II - Conhecimento Explícito da Língua
1.       Faz corresponder cada função sintáctica à expressão correcta :
 

1.       O João
A. Complemento circ. tempo
2.       Fez uma notícia
B. Complemento circ. lugar
3.       Ontem
C. Complemento circ. modo
4.       Na escola
D. Predicado
 
E. Sujeito

 
Grupo III – Expressão Escrita
De acordo com os teus conhecimentos sobre o texto jornalístico, elabora uma notícia, num mínimo de 10 linhas.
***
Escola Básica 2, 3 ______________________________

Língua Portuguesa

Nome __________________________________, nº___, ____º ano, turma _____

 

Lê atentamente o texto da página 31 do manual e responde com correcção e clareza às questões seguintes na tua folha de teste.
Grupo I – Compreensão Escrita
2.       Assinala com V (verdadeiro) F (falso) as seguintes afirmações :
 
a) O texto refere uma sondagem realizada em 27 países da União Europeia.
b) A sondagem foi realizada em Setembro..
c) 54% dos europeus preferia voltar às suas moedas nacionais.
d) Os Holandeses são os maiores defensores do euro.
2. Identifica o tipo de texto jornalístico que leste.
3. Quais são as suas características/objectivos principais?
4. Em quantas partes se pode dividir? Indica-as e dá um título ao texto.
5. Completa o quadro :

Quem?
O quê?
Quando?
Onde?
 
 
 
 
 

 

Como?
Porquê?
 
 
 

 
Grupo II - Conhecimento Explícito da Língua
2.       Faz corresponder cada função sintáctica à expressão correcta :
 

5.       O João
A. Complemento circ. tempo
6.       Fez uma notícia
B. Complemento circ. lugar
7.       Ontem
C. Complemento circ. modo
8.       Na escola
D. Predicado
 
E. Sujeito

 
Grupo III – Expressão Escrita
De acordo com os teus conhecimentos sobre o texto jornalístico, elabora uma notícia, num mínimo de 10 linhas.
 

 

 
Ficha de trabalho n.º
Disciplina: Língua Portuguesa
Tema – Leitura
Ano/turma:
Professor:
Data:
Cavaleiro da Dinamarca
Lê atentamente o seguinte excerto de O Cavaleiro da Dinamarca:
Sophia de Mello Breyner Andresen, O Cavaleiro da Dinamarca
1. O Cavaleiro “viajava agora com pressa”. (linha 1)
1.1. Identifica a peripécia que impede que o Cavaleiro continue a sua viagem.
2. O delírio do Cavaleiro, provocado pela doença, recai sobre alguns dos locais por onde ele passou.
2.1. Identifica-os.
2.2. Explica como esses locais se transformam em obstáculos que impedem o Cavaleiro de prosseguir viagem.
3. No 2.º parágrafo, o narrador mostra não estar seguro das causas da doença do Cavaleiro.
3.1. Selecciona dois vocábulos que comprovem a sua incerteza.
4. Os frades recorreram a produtos naturais para tratarem o Cavaleiro.
4.1. Na tua opinião, este tipo de tratamento natural era esperado? Porquê?
5. Refere o adjectivo que caracteriza o Cavaleiro tendo em conta cada uma das seguintes expressões:
5.1.Então o Cavaleiro quis seguir viagem...” (linha 16).
5.2.…admirando nas paredes as suaves pinturas dos frescos que contavam milagres maravilhosos dos santos.” (linhas 21e 22).
6. Observa a descrição do convento feita no 6.º e 7.º parágrafos.
6.1. Enumera os elementos referidos desse espaço.
6.2. Caracteriza o ambiente vivido no convento.
6.3. Identifica três recursos utilizados pelo narrador nesta descrição, exemplificando com expressões textuais.
7. Resume o assunto do excerto (12 a 15 palavras).


 
Ficha de trabalho n.º
Disciplina: Língua Portuguesa
Tema – Leitura
Ano/turma:
Professor:
Data:
Compreensão de leitura: Arroz do Céu
A – Assinala a afirmação verdadeira (V) ou falsa (F).
1. Toda a história se passa nas longas galerias do subway da cidade de Nova Iorque. [__]
2. Ao longo dos passeios de Nova Iorque existem grandes respiradouros gradeados que comunicam com as galerias do subway. [__]

3. Os garotos, que brincavam na rua, chegavam a entrar no metro (subway) para apanhar as moedas que para lá rolavam. [__]
4. O limpa-vias é um emigrante que varre as ruas da cidade e as galerias do metro. [__]
5. Este emigrante mal sabia falar inglês, embora o compreendesse. [__]
6. A todo o comprimento do passeio onde se situava a igreja de São João Baptista e do Santíssimo Sacramento havia respiradouros do subway. [__]
7. O arroz lançado aos noivos pelos convidados, no fim do casamento, caía em cima dos respiradouros e acabava por deslizar para dentro da galeria do metro. [__]
8. A primeira vez que o limpa-vias se apercebeu do arroz derramado no chão, interrogou-se: donde é que viria tanto arroz? [__]
9. Um dia, mesmo receando ser visto, apanhou o arroz do chão e levou-o para casa, num pequeno saco. [__]
10. A mulher do limpa-vias ficou assombrada com a quantidade do arroz. [__]
11. A partir deste momento, o arroz passou a ser uma ajuda para a família, sobretudo no bom tempo, pelo Verão. [__]
12.Como o arroz caía do Alto, o limpa-vias acreditou que ele era enviado pelo Céu como uma bênção de Deus. [__]
13. Todas as noites, como sempre fizeram, o limpa-vias e a sua mulher rezavam ao Senhor, mas agora para agradecer a ajuda. [__]


 
Ficha de trabalho de verificação de leitura n.º
Disciplina: Língua Portuguesa
Tema – Leitura
Ano/turma:
Professor:
Data:
Compreensão de leitura: O Cavaleiro da Dinamarca
A –Assinala as afirmações verdadeiras (V) ou falsas (F).
1. A acção do conto “O Cavaleiro da Dinamarca” passa-se há muitos séculos atrás.
2. O Cavaleiro e família viviam na floresta, no extremo Norte da Dinamarca.
3. A personagem é designada de acordo com o seu nome próprio.
4. Em frente da porta da casa do cavaleiro havia uma grande tília que era a árvore mais alta da floresta.
5. A maior festa do ano era o Natal.
6. Na noite de Natal, o Cavaleiro sentava-se à mesa apenas com a sua família.
7. Terminada a ceia, contavam-se histórias e lendas de lobos, ursos, gnomos e anões.
8. As mais belas histórias eram as dos Reis Magos, dos pastores e dos Anjos.
9. Certo Natal, o Cavaleiro comunicou à família que partiria em viagem de negócios para a Terra Santa.
10. O Cavaleiro prometeu à sua família que dentro de dois anos, precisamente no dia de Natal, estaria de regresso a casa.
11. Na noite de Natal, o Cavaleiro dirigiu-se para a gruta de Belém e rezou toda a noite onde os Reis Magos adoraram a criança acabada de nascer.
12. Convidado pelo Mercador, o Cavaleiro seguiu para Veneza, cidade construída sobre as águas.
13. No palácio do Mercador, o cavaleiro conhece Vanina, a mais bela rapariga de Veneza, e o seu namorado Guidobaldo.
14. Vanina e Guidobaldo casaram na pequena capela dos marinheiros, embarcaram num navio e nunca mais foram encontrados.
15. Em Florença, o Cavaleiro foi recebido pelo banqueiro Averardo, seu amigo de longa data.
16. Durante um jantar, em casa do banqueiro, Filippo contou a história de Giotto e do seu discípulo Cimabué.
17. Giotto, o maior poeta de Itália, escreveu um maravilhoso livro chamado “A Divina Comédia”.
18. Dante, torturado pela morte de Beatriz, desceu ao Inferno, percorreu o Purgatório e visitou o Céu onde se encontrou com Beatriz.
19. Em Génova, o Cavaleiro adoeceu gravemente. Foi recebido pelos frades de um pequeno convento onde foi tratado.
20. Em casa do marinheiro português, Pêro Dias, o Cavaleiro, ouve surpreendido, as espantosas aventuras das expedições dos portugueses, no novo mundo.
21. Em Novembro, o Cavaleiro decidiu voltar ao seu país por mar, mas ninguém se arriscava a viajar para norte com medo dos gelos e dos temporais.
22. Para manter a promessa que tinha feito à sua família, o Cavaleiro inicia uma longa e penosa viagem de regresso por terra.
23. No dia 24 de Dezembro, a proximidade da sua casa fazia-o esquecer o cansaço e o frio.
24. Apesar dos lenhadores alertarem o Cavaleiro dos perigos que corria em atravessar a floresta durante a noite, ele continuou a sua viagem.
25. Perdido na noite e no labirinto da floresta, o Cavaleiro rezou a oração dos Anjos – Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens de boa vontade.
26. O milagre aconteceu! O clarão de uma fogueira, que foi ateada por um lenhador, guiou o Cavaleiro até à sua casa.
27. Maravilhado, o Cavaleiro viu, junto a sua casa, a maior árvore da floresta enfeitada com pequeninas estrelas pelos seus filhos.


 
Ficha de trabalho n.º
Disciplina: Língua Portuguesa
Tema: Leitura
Ano/turma:
Professor:
Data:
À Beira do Lago dos Encantos: Aspectos Paratextuais
1. Observa a capa do teu livro À Beira do Lago dos Encantos de Maria Alberta Menéres.
1.1. Regista as informações contidas na capa do teu livro.
  • autor(res) ___________________________________________________
  • Título ______________________________________________________
  • Subtítulo (se for caso disso) _____________________________________
  • Editora ____________________________________________________
  • Colecção ___________________________________________________
1.2. Descreve a imagem representada na capa.

____________________________________________________________

____________________________________________________________

____________________________________________________________

____________________________________________________________

1.3. A imagem ilustra o título? Justifica a tua resposta.

____________________________________________________________

____________________________________________________________

2. Observa, agora, a contracapa.

2.1. Assinala os elementos apresentados.

 Texto
 Imagem
2.2. Na tua opinião, qual é a função da contracapa?

____________________________________________________________
____________________________________________________________

3. Com base nas informações que obtiveste, observando a capa e contracapa, imagina a história que irás ler.
____________________________________________________________
____________________________________________________________
____________________________________________________________


 
Ficha de leitura
 
Nome: ________________________________________
Ano: ____ Turma: _____ N.º ____
Data:___/___/___ Data de entrega:___/___/___


1 – Indicações bibliográficas do livro escolhido:
Autor(a): ______________________________________
Título: ________________________________________
Editor: ________________________________________
Local e data da Publicação:_______________________

2 – Estás a gostar do livro?
Sim Não

3 – Porquê?
____________________________________________________________
____________________________________________________________

4 – Estás a sentir dificuldades na leitura? Se sim, diz quais.
____________________________________________________________
____________________________________________________________

5 – Indica o número de páginas lidas e as que te faltam ler.
____________________________________________________________

6 – Está a gostar/detestar especialmente alguma personagem? Qual? Porquê?
____________________________________________________________
____________________________________________________________
____________________________________________________________

7 – Copia uma frase ou excerto de que tenhas particularmente gostado ou que gostarias de ver debatido(a) em aula.
____________________________________________________________
____________________________________________________________
___________________________________________________________

8 – Indica três boas razões para aconselhares um colega a ler (ou não) o livro.
1.ª ________________________________________________
2.ª ________________________________________________
3.ª ________________________________________________

9 – Achas que vais terminar a leitura do teu livro ou preferes escolher outro? Neste caso, indica o novo título escolhido e o seu auto.
____________________________________________________________
____________________________________________________________

Sugestão:
Desenvolvimento da actividade:
– Aplicar esta Ficha de Leitura duas ou três semanas após o início da actividade.
– A aplicação intermédia desta ficha tem como objectivo evitar que os alunos deixem a leitura e consequente preenchimento da Ficha de Leitura final para os últimos momentos do prazo acordado.
– A Ficha de Leitura poderá ser preenchida em casa ou na sala de aula. Neste caso, a presença do livro será indispensável.
– A aula seguinte possuirá um espaço dedicado ao esclarecimento das dúvidas referidas na Ficha de Leitura e à troca de ideias sobre frases ou excertos apresentados pelos alunos (questão n.º 9).
Nota: Se a resposta à questão nº6 se limitar a afirmações “… porque é interessante, engraçado…”, o professor poderá intervir, apresentando respostas modelos.
 

 

 

 
publicado por OPTD às 19:02

Março 12 2009

«...que dias há que na alma me tem posto um não sei quê, que nasce não sei onde, vem não sei como e dói não sei porquê...»

 

http://www.astormentas.com/escrituras.aspx?ID=Lu%C3%ADs%20de%20Cam%C3%B5es

 

 

 

publicado por OPTD às 11:12

Março 12 2009

 

VII
 
Compreendem agora melhor a Rosa Azul?
Não devia ser fácil para ela. Sozinha, sem ninguém com quem falar...
E ainda por cima, às vezes as outras flores diziam-lhe que queriam ser suas amigas e depois de se aproximarem dela...
Zás! Arrancavam-lhe uma pétala ou uma folha e fugiam a rir...
Mas a Rosa cor de mar tudo aguentava na esperança de que um dia olhassem para ela com os olhos do coração.
Talvez então vissem como era bonita por dentro e se esquecessem da sua cor estranha!
E quem sabe até se um Cravo ou um Jacinto quisessem mesmo ser seus amigos...
 
***
 
O tempo passou, mas nada disso aconteceu.
E a nossa Rosa Azul ia murchando dia após dia, cada vez mais fraquinha, até lhe tinham caído uma ou duas folhas de tanto pensar nestas coisas ou então seria daquele Sol ardente de Maio...
Não sei, já vos disse que de Rosas sei muito pouco...
 
***
 
            Ora numa certa manhã, à hora em que o jardim acordava, algo de estranho aconteceu...
            O dia estava sombrio e pálido e os raios do Sol não douravam as gotinhas do orvalho da madrugada.
            Uma enorme nuvem escura cobria o céu e parecia prestes a rebentar mesmo por cima da cabeça do Marquês de Pombal, que ficou ainda mais Verde do que o normal, vá-se lá saber porquê!...
            As flores, assustadas, comentavam baixinho com os Manjericos e até os pássaros se calaram.
            Uma espécie de trovão ecoou pelo céu e as Rosas Vermelhas, muito medrosas, enlaçaram mais as folhas.
            A verdade é que aquilo tudo assustava e até a Rosa Azul, que via sempre o boletim meteorológico, estava ansiosa.
            Que nuvem estranha era aquela?!...
            E, lentamente, uma chuvinha fina começou a cair...
            Mas não era uma chuva igual às outras.
            Era quase invisível, mal se sentia nas folhas!
            O jardim estava em pânico e os canteiros tremiam, de nariz no ar.
            De repente, um Malmequer pequenino, já com dores no pescoço, baixou a cabeça:
            -Eh! Olhem todos...
 
***
 
            As flores não tinham palavras.
Ali ficaram, especadas, a olhar para o jardim...
            Aquela chuva esquisita tinha apagado as cores!
            Tudo era agora Cinzento e sem brilho...
            Rosas, Narcisos, Margaridas, Violetas, Jacintos, Malmequeres, Cravos... tudo era agora da mesma cor.
            Iguaizinhos.
            Pelo menos na cor...
 
***
 
            “E a nossa Rosa Azul?!”
            Não sei onde está!
            Deixou de ser Azul.
Pelo menos por fora.
E agora é mais difícil encontrá-la...
Temos de a procurar com os olhos de ver por dentro...
Mas experimentem, por favor, e digam-me qualquer coisa quando a encontrarem!...
Digam-me que ela é finalmente feliz.
Digam-me que naquele jardim o que dantes a fazia diferente, a cor, deixou de ser importante.
Digam-me que agora cada flor vale pelo que é por dentro e não pelo que parece por fora.
 
E nesse dia, está combinado, iremos todos juntos passear, porque o sol brilha no céu e as Rosas perfumam o ar... de Lisboa.
 
 
FIM
 
 
 
José Miranda
02/01/2004
publicado por OPTD às 11:09
Tags:

Um blogue de apoio às minhas aulas e a todos os que gostam de Português, Francês e tudo... Desde 2008.
Março 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
14

15
16
19
21

25
27

31


links
pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO