O Professor tira dúvidas

Novembro 23 2015

 

publicado por OPTD às 10:14

Junho 10 2012

 

 

 

Portugal, Portugal

Jorge Palma

Tiveste gente de muita coragem
E acreditaste na tua mensagem
Foste ganhando terreno
E foste perdendo a memória

 

Já tinhas meio mundo na mão
Quiseste impor a tua religião
E acabaste por perder a liberdade
A caminho da glória

 

Ai, Portugal, Portugal
De que é que tu estás à espera?
Tens um pé numa galera
E outro no fundo do mar
Ai, Portugal, Portugal
Enquanto ficares à espera
Ninguém te pode ajudar

 

Tiveste muita carta para bater
Quem joga deve aprender a perder
Que a sorte nunca vem só
Quando bate à nossa porta

 

Esbanjaste muita vida nas apostas
E agora trazes o desgosto às costas
Não se pode estar direito
Quando se tem a espinha torta

 

Ai, Portugal, Portugal
De que é que tu estás à espera?
Tens um pé numa galera
E outro no fundo do mar
Ai, Portugal, Portugal
Enquanto ficares à espera
Ninguém te pode ajudar

 

Fizeste cegos de quem olhos tinha
Quiseste pôr toda a gente na linha
Trocaste a alma e o coração
Pela ponta das tuas lanças

 

Difamaste quem verdades dizia
Confundiste amor com pornografia
E depois perdeste o gosto
De brincar com as tuas crianças

 

Ai, Portugal, Portugal
De que é que tu estás à espera?
Tens um pé numa galera
E outro no fundo do mar
Ai, Portugal, Portugal
Enquanto ficares à espera
Ninguém te pode ajudar

 

Ai, Portugal, Portugal
De que é que tu estás à espera?
Tens um pé numa galera
E outro no fundo do mar
Ai, Portugal, Portugal
Enquanto ficares à espera
Ninguém te pode ajudar

 


<input ... >

 

publicado por OPTD às 16:55

Abril 26 2012

Numa manhã a professora pergunta ao aluno:

- Diz-me lá quem escreveu 'Os Lusíadas'?

 

O aluno, a gaguejar, responde:

- Não sei, Sra. Professora, mas eu não fui.

 

E começa a chorar. A professora, furiosa, diz-lhe:

- Pois então, de tarde, quero falar com o teu pai.

 

Em conversa com o pai, a professora faz-lhe queixa:

- Não percebo o seu filho. Perguntei-lhe quem escreveu 'Os Lusíadas' e ele

respondeu-me que não sabia, que não foi ele...

 

Diz o pai:

- Bem, ele não costuma ser mentiroso, se diz que não foi ele, é porque não

foi. Já se fosse o irmão...

 

Irritada com tanta ignorância, a professora resolve ir para casa e, na

passagem pelo posto local da G.N.R., diz-lhe o comandante:

- Parece que o dia não lhe correu muito bem...

 

- Pois não, imagine que perguntei a um aluno quem escreveu 'Os Lusíadas'

respondeu-me que não sabia, que não foi ele, e começou a chorar.

 

O comandante do posto:

- Não se preocupe. Chamamos cá o miúdo, damos-lhe um 'aperto', vai ver que ele

confessa tudo!

 

Com os cabelos em pé, a professora chega a casa e encontra o marido sentado no

sofá, a ler o jornal. Pergunta-lhe este:

- Então o dia correu bem?

 

- Ora, deixa-me cá ver. Hoje perguntei a um aluno quem escreveu 'Os Lusíadas'.

Começou a gaguejar, que não sabia, que não tinha sido ele, e pôs-se a chorar.

O pai diz-me que ele não costuma ser mentiroso. O comandante da G.N.R. quer

chamá-lo e obrigá-lo a confessar. Que hei-de fazer a isto?

 

O marido, confortando-a:

 

- Olha, esquece. Janta, dorme e amanhã tudo se resolve. Vais ver que se calhar

foste tu e já não te lembras...!

 

publicado por OPTD às 15:18

Abril 18 2012
+

 

O Poeta relata a chegada a Calecut, agradecendo Vasco da Gama a Deus.

 

92

Já a manhã clara dava nos outeiros
Por onde o Ganges murmurando soa,
Quando da celsa gávea os marinheiros
Enxergaram terra alta pela proa.
Já fora de tormenta, e dos primeiros
Mares, o temor vão do peito voa.
Disse alegre o piloto Melindano:
"Terra é de Calecu, se não me engano.

93

"Esta é por certo a terra que buscais
Da verdadeira Índia, que aparece;
E se do mundo mais não desejais,
Vosso trabalho longo aqui fenece."
Sofrer aqui não pode o Gama mais,
De ledo em ver que a terra se conhece:
Os geolhos no chão, as mãos ao céu,
A mercê grande a Deus agradeceu.

94

As graças a Deus dava, e razão tinha,
Que não somente a terra lhe mostrava,
Que com tanto temor buscando vinha,
Por quem tanto trabalho experimentava;
Mas via-se livrado tão asinha
Da morte, que no mar lhe aparelhava
O vento duro, fervido e medonho,
Como quem despertou de horrendo sonho.

 

+
 
publicado por OPTD às 12:56

Abril 18 2012

 

 

Mar Português

Ó mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!

Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma nao é pequena.
Quem quer passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o céu.

                    Fernando Pessoa, in Mensagem

publicado por OPTD às 12:49

Abril 18 2012
http://www.youtube.com/watch?v=KkobRKNjSNo&feature=related
O Poeta narra uma tempestade. O Gama reza a Deus para que salve a armada, mas quem intervém é Vénus e as suas ninfas que acalmam os ventos.

 

70

Mas, neste passo, assim prontos estando
Eis o mestre, que olhando os ares anda,
O apito toca; acordam despertando
Os marinheiros duma e doutra banda;
E porque o vento vinha refrescando,
Os traquetes das gáveas tomar manda:
"Alerta, disse, estai, que o vento cresce
Daquela nuvem negra que aparece."

71

Não eram os traquetes bem tomados,
Quando dá a grande e súbita procela:
"Amaina, disse o mestre a grandes brados,
Amaina, disse, amaina a grande vela!"
Não esperam os ventos indinados
Que amainassem; mas juntos dando nela,
Em pedaços a fazem, com um ruído
Que o mundo pareceu ser destruído.

72

O céu fere com gritos nisto a gente,
Com súbito temor e desacordo,
Que, no romper da vela, a nau pendente
Toma grã suma d'água pelo bordo:
"Alija, disse o mestre rijamente,
Alija tudo ao mar; não falte acordo.
Vão outros dar à bomba, não cessando;
A bomba, que nos imos alagando!"

73

Correm logo os soldados animosos
A dar à bomba; e, tanto que chegaram,
Os balanços que os mares temerosos
Deram à nau, num bordo os derribaram.
Três marinheiros, duros e forçosos,
A menear o leme não bastaram;
Talhas lhe punham duma e doutra parte,
Sem aproveitar dos homens força e arte.

74

Os ventos eram tais, que não puderam
Mostrar mais força do ímpeto cruel,
Se para derribar então vieram
A fortíssima torre de Babel.
Nos altíssimos mares, que cresceram,
A pequena grandura dum batel
Mostra a possante nau, que move espanto,
Vendo que se sustém nas ondas tanto.

75

A nau grande, em que vai Paulo da Gama,
Quebrado leva o masto pelo meio.
Quase toda alagada: a gente chama
Aquele que a salvar o mundo veio.
Não menos gritos vãos ao ar derrama
Toda a nau de Coelho, com receio,
Conquanto teve o mestre tanto tento,
Que primeiro amainou, que desse o vento.

76

Agora sobre as nuvens os subiam
As ondas de Netuno furibundo;
Agora a ver parece que desciam
As íntimas entranhas do Profundo.
Noto, Austro, Bóreas, Aquilo queriam
Arruinar a máquina do mundo:
A noite negra e feia se alumia
Com os raios, em que o Pólo todo ardia.

77

As Alcióneas aves triste canto
Junto da costa brava levantaram,
Lembrando-se do seu passado pranto,
Que as furiosas águas lhe causaram.
Os delfins namorados entretanto
Lá nas covas marítimas entraram,
Fugindo à tempestade e ventos duros,
Que nem no fundo os deixa estar segui-os.

78

Nunca tão vivos raios fabricou
Contra a fera soberba dos Gigantes
O grã ferreiro sórdido, que obrou
Do enteado as armas radiantes;
Nem tanto o grã Tonante arremessou
Relâmpagos ao mundo fulminantes,
No grã dilúvio, donde sós viveram
Os dois que em gente as pedras converteram.

79

Quantos montes, então, que derribaram
As ondas que batiam denodadas!
Quantas árvores velhas arrancaram
Do vento bravo as fúrias indinadas!
As forçosas raízes não cuidaram
Que nunca para o céu fossem viradas,
Nem as fundas areias que pudessem
Tanto os mares que em cima as revolvessem.

80

Vendo Vasco da Gama que tão perto
Do fim de seu desejo se perdia;
Vendo ora o mar até o inferno aberto,
Ora com nova fúria ao céu subia,
Confuso de temor, da vida incerto,
Onde nenhum remédio lhe valia,
Chama aquele remédio santo é forte,
Que o impossível pode, desta sorte:

81

"Divina Guarda, angélica, celeste,
Que os céus, o mar e terra senhoreias;
Tu, que a todo Israel refúgio deste
Por metade das águas Eritreias;
Tu, que livraste Paulo e o defendeste
Das Sirtes arenosas e ondas feias,
E guardaste com os filhos o segundo
Povoador do alagado e vácuo mundo;

82

"Se tenho novos modos perigosos
Doutra Cila e Caríbdis já passados,
Outras Sirtes e baixos arenosos,
Outros Acroceráunios infamados,
No fim de tantos casos trabalhosos,
Por que somos de ti desamparados,
Se este nosso trabalho não te ofende,
Mas antes teu serviço só pretende?

83

"Ó ditosos aqueles que puderam
Entre as agudas lanças Africanas
Morrer, enquanto fortes sostiveram
A santa Fé nas terras Mauritanas!
De quem feitos ilustres se souberam,
De quem ficam memórias soberanas,
De quem se ganha a vida com perdê-la,
Doce fazendo a morte as honras dela!"

84

Assim dizendo, os ventos que lutavam
Como touros indómitos bramando,
Mais e mais a tormenta acrescentavam
Pela miúda enxárcia assoviando.
Relâmpados medonhos não cessavam,
Feros trovões, que vêm representando
Cair o céu dos eixos sobre a terra,
Consigo os elementos terem guerra.

85

Mas já a amorosa estrela cintilava
Diante do Sol claro, no Horizonte,
Mensageira do dia, e visitava
A terra e o largo mar, com leda fronte.
A densa que nos céus a governava,
De quem foge o ensífero Orionte,
Tanto que o mar e a cara armada vira,
Tocada junto foi de medo e de ira.

86

"Estas obras de Baco são, por certo,
Disse; mas não será que avante leve
Tão danada tenção, que descoberto
Me será sempre o mil a que se atreve."
Isto dizendo, desce ao mar aberto,
No caminho gastando espaço breve,
Enquanto manda as Ninfas amorosas
Grinaldas nas cabeças pôr de rosas.

87

Grinaldas manda pôr de várias cores
Sobre cabelo; louros à porfia.
Quem não dirá que nascem roxas flores
Sobre ouro natural, que Amor enfia?
Abrandar determina, por amores,
Dos ventos a nojosa companhia,
Mostrando-lhe as amadas Ninfas belas,
Que mais formosas vinham que as estrelas.

88

Assim foi; porque, tanto que chegaram
A vista delas, logo lhe falecem
As forças com que dantes pelejaram,
E já como rendidos lhe obedecem.
Os pés e mãos parece que lhe ataram
Os cabelos que os raios escurecem.
A Bóreas, que do peito mais queria,
Assim disse a belíssima Oritia:

89

"Não creias, fero Bóreas, que te creio
Que me tiveste nunca amor constante,
Que brandura é de amor mais certo arreio,
E não convém furor a firme amante.
Se já não pões a tanta insânia freio,
Não esperes de mi, daqui em diante,
Que possa mais amar-te, mas temer-te;
Que amor contigo em medo se converte."

90

Assim mesmo a formosa Galateia
Dizia ao fero Noto, que bem sabe
Que dias há que em vê-la se recreia,
E bem crê que com ele tudo acabe.
Não sabe o bravo tanto bem se o creia,
Que o coração no peito lhe não cabe,
De contente de ver que a dama o manda,
Pouco cuida que faz, se logo abranda.

91

Desta maneira as outras amansavam
Subitamente os outros amadores;
E logo à linda Vénus se entregavam,
Amansadas as iras e os furores.
Ela lhe prometeu, vendo que amavam,
Sempiterno favor em seus amores,
Nas belas mãos tomando-lhe homenagem
De lhe serem leais esta viagem.

publicado por OPTD às 12:40

Abril 18 2012

V, 39

Não acabava, quando uma figura
Se nos mostra no ar, robusta e válida,
De disforme e grandíssima estatura,
O rosto carregado, a barba esquálida,
Os olhos encovados, e a postura
Medonha e má, e a cor terrena e pálida,
Cheios de terra e crespos os cabelos,
A boca negra, os dentes amarelos.

 

Com base na estrofe anterior, ilustra grafica e artisticamente a figura de Adamastor.

 

publicado por OPTD às 09:59

Abril 14 2012
 

Disse-te Adeus E Morri

Amália Rodrigues

Disse-te adeus e morri
E o cais vazio de ti
Aceitou novas marés.
Gritos de búzios perdidos,
Roubaram dos meus sentidos,
A gaivota que tu és.


Gaivota d'asas paradas,
Que não sente as madrugadas
E acorda à noite a chorar.
Gaivota que faz o ninho
Porque perdeu o caminho
Onde aprendeu a sonhar.

 

Preso no ventre do mar
O meu triste respirar
Sofre a invenção das horas.
Pois, na ausência que deixaste,
Meu amor, como ficaste?
Meu amor, como demoras!

 

publicado por OPTD às 12:03

Abril 13 2012

Quando a armada se aproximou do cabo das Tormentas, Vasco da Gama e os marinheiros tiveram de enfrentar Adamastor. Este fez profecias relativamente ao futuro dos Portugueses, contou a sua história pessoal e depois, emocionado pelas memórias, desaparece e deixa passar as naus.

 

 

39

"Não acabava, quando uma figura
Se nos mostra no ar, robusta e válida,
De disforme e grandíssima estatura,
O rosto carregado, a barba esquálida,
Os olhos encovados, e a postura
Medonha e má, e a cor terrena e pálida,
Cheios de terra e crespos os cabelos,
A boca negra, os dentes amarelos.

40

"Tão grande era de membros, que bem posso
Certificar-te, que este era o segundo
De Rodes estranhíssimo Colosso,
Que um dos sete milagres foi do mundo:
Com um tom de voz nos fala horrendo e grosso,
Que pareceu sair do mar profundo:
Arrepiam-se as carnes e o cabelo
A mi e a todos, só de ouvi-lo e vê-lo.

41

"E disse: — "Ó gente ousada, mais que quantas
No mundo cometeram grandes cousas,
Tu, que por guerras cruas, tais e tantas,
E por trabalhos vãos nunca repousas,
Pois os vedados términos quebrantas,
E navegar meus longos mares ousas,
Que eu tanto tempo há já que guardo e tenho,
Nunca arados d'estranho ou próprio lenho:

42

- "Pois vens ver os segredos escondidos
Da natureza e do úmido elemento,
A nenhum grande humano concedidos
De nobre ou de imortal merecimento,
Ouve os danos de mim, que apercebidos
Estão a teu sobejo atrevimento,
Por todo o largo mar e pela terra,
Que ainda hás de sojugar com dura guerra.

43

- "Sabe que quantas naus esta viagem
Que tu fazes, fizerem de atrevidas,
Inimiga terão esta paragem
Com ventos e tormentas desmedidas.
E da primeira armada que passagem
Fizer por estas ondas insofridas,
Eu farei d'improviso tal castigo,
Que seja mor o dano que o perigo.

44

- "Aqui espero tomar, se não me engano,
De quem me descobriu, suma vingança.
E não se acabará só nisto o dano
Da vossa pertinace confiança;
Antes em vossas naus vereis cada ano,
Se é verdade o que meu juízo alcança,
Naufrágios, perdições de toda sorte,
Que o menor mal de todos seja a morte.

45

- "É do primeiro Ilustre, que a ventura
Com fama alta fizer tocar os Céus,
Serei eterna e nova sepultura,
Por juízos incógnitos de Deus.
Aqui porá da Turca armada dura
Os soberbos e prósperos troféus;
Comigo de seus danos o ameaça
A destruída Quíloa com Mombaça.

46

- "Outro também virá de honrada fama,
Liberal, cavaleiro, enamorado,
E consigo trará a formosa dama
Que Amor por grã mercê lhe terá dado.
Triste ventura e negro fado os chama
Neste terreno meu, que duro e irado
Os deixará dum cru naufrágio vivos
Para verem trabalhos excessivos.

47

- "Verão morrer com fome os filhos caros,
Em tanto amor gerados e nascidos;
Verão os Cafres ásperos e avaros
Tirar à linda dama seus vestidos;
Os cristalinos membros e perclaros
A calma, ao frio, ao ar verão despidos,
Depois de ter pisada longamente
Co'os delicados pés a areia ardente.

48

- "E verão mais os olhos que escaparem
De tanto mal, de tanta desventura,
Os dois amantes míseros ficarem
Na férvida e implacável espessura.
Ali, depois que as pedras abrandarem
Com lágrimas de dor, de mágoa pura,
Abraçados as almas soltarão
Da formosa e misérrima prisão." -

49

"Mais ia por diante o monstro horrendo
Dizendo nossos fados, quando alçado
Lhe disse eu: — Quem és tu? que esse estupendo
Corpo certo me tem maravilhado.-
A boca e os olhos negros retorcendo,
E dando um espantoso e grande brado,
Me respondeu, com voz pesada e amara,
Como quem da pergunta lhe pesara:

50

- "Eu sou aquele oculto e grande Cabo,
A quem chamais vós outros Tormentório,
Que nunca a Ptolomeu, Pompónio, Estrabo,
Plínio, e quantos passaram, fui notório.
Aqui toda a Africana costa acabo
Neste meu nunca visto Promontório,
Que para o Pólo Antarctico se estende,
A quem vossa ousadia tanto ofende.

51

- "Fui dos filhos aspérrimos da Terra,
Qual Encélado, Egeu e o Centimano;
Chamei-me Adamastor, e fui na guerra
Contra o que vibra os raios de Vulcano;
Não que pusesse serra sobre serra,
Mas conquistando as ondas do Oceano,
Fui capitão do mar, por onde andava
A armada de Netuno, que eu buscava.

52

- "Amores da alta esposa de Peleu
Me fizeram tomar tamanha empresa.
Todas as Deusas desprezei do céu,
Só por amar das águas a princesa.
Um dia a vi coas filhas de Nereu
Sair nua na praia, e logo presa
A vontade senti de tal maneira
Que ainda não sinto coisa que mais queira.

53

- "Como fosse impossível alcançá-la
Pela grandeza feia de meu gesto,
Determinei por armas de tomá-la,
E a Doris este caso manifesto.
De medo a Deusa então por mim lhe fala;
Mas ela, com um formoso riso honesto,
Respondeu: — "Qual será o amor bastante
De Ninfa que sustente o dum Gigante?

54

- "Contudo, por livrarmos o Oceano
De tanta guerra, eu buscarei maneira,
Com que, com minha honra, escuse o dano."
Tal resposta me torna a mensageira.
Eu, que cair não pude neste engano,
(Que é grande dos amantes a cegueira)
Encheram-me com grandes abondanças
O peito de desejos e esperanças.

55

- "Já néscio, já da guerra desistindo,
Uma noite de Dóris prometida,
Me aparece de longe o gesto lindo
Da branca Tétis única despida:
Como doido corri de longe, abrindo
Os braços, para aquela que era vida
Deste corpo, e começo os olhos belos
A lhe beijar, as faces e os cabelos.

56

- "Ó que não sei de nojo como o conte!
Que, crendo ter nos braços quem amava,
Abraçado me achei com um duro monte
De áspero mato e de espessura brava.
Estando com um penedo fronte a fronte,
Que eu pelo rosto angélico apertava
Não fiquei homem não, mas mudo e quedo,
E junto dum penedo outro penedo.

57

- "Ó Ninfa, a mais formosa do Oceano,
Já que minha presença não te agrada,
Que te custava ter-me neste engano,
Ou fosse monte, nuvem, sonho, ou nada?
Daqui me parto irado, e quase insano
Da mágoa e da desonra ali passada,
A buscar outro inundo, onde não visse
Quem de meu pranto e de meu mal se risse,

58

- "Eram já neste tempo meus irmãos
Vencidos e em miséria extrema postos;
E por mais segurar-se os Deuses vãos,
Alguns a vários montes sotopostos:
E como contra o Céu não valem mãos,
Eu, que chorando andava meus desgostos,
Comecei a sentir do fado inimigo
Por meus atrevimentos o castigo.

59

- "Converte-se-me a carne em terra dura,
Em penedos os ossos sefizeram,
Estes membros que vês e esta figura
Por estas longas águas se estenderam;
Enfim, minha grandíssima estatura
Neste remoto cabo converteram
Os Deuses, e por mais dobradas mágoas,
Me anda Tétis cercando destas águas." -

60

"Assim contava, e com um medonho choro
Súbito diante os olhos se apartou;
Desfez-se a nuvem negra, e com um sonoro
Bramido muito longe o mar soou.
Eu, levantando as mãos ao santo coro
Dos anjos, que tão longe nos guiou,
A Deus pedi que removesse os duros
Casos, que Adamastor contou futuros.

 

+

 

 

 

publicado por OPTD às 10:18

Abril 11 2012

 

 

83

"Foram de Emanuel remunerados,
Porque com mais amor se apercebessem,
E com palavras altas animados
Para quantos trabalhos sucedessem.
Assim foram os Mínias ajuntados,
Para que o Véu dourado combatessem,
Na fatídica Nau, que ousou primeira
Tentar o mar Euxínio, aventureira.

84

"E já no porto da ínclita Ulisseia
C'um alvoroço nobre, e é um desejo,
(Onde o licor mistura e branca areia
Co'o salgado Neptuno o doce Tejo)
As naus prestes estão; e não refreia
Temor nenhum o juvenil despejo,
Porque a gente marítima e a de Marte
Estão para seguir-me a toda parte.


85

"Pelas praias vestidos os soldados
De várias cores vêm e várias artes,
E não menos de esforço aparelhados
Para buscar do inundo novas partes.
Nas fortes naus os ventos sossegados
Ondeam os aéreos estandartes;
Elas prometem, vendo os mares largos,
De ser no Olimpo estrelas como a de Argos.


86

"Depois de aparelhados desta sorte
De quanto tal viagem pede e manda,
Aparelhamos a alma para a morte,
Que sempre aos nautas ante os olhos anda.
Para o sumo Poder que a etérea corte
Sustenta só coa vista veneranda,
Imploramos favor que nos guiasse,
E que nossos começos aspirasse.


87

"Partimo-nos assim do santo templo
Que nas praias do mar está assentado,
Que o nome tem da terra, para exemplo,
Donde Deus foi em carne ao mundo dado.
Certifico-te, ó Rei, que se contemplo
Como fui destas praias apartado,
Cheio dentro de dúvida e receio,
Que apenas nos meus olhos ponho o freio.


88

"A gente da cidade aquele dia,
(Uns por amigos, outros por parentes,
Outros por ver somente) concorria,
Saudosos na vista e descontentes.
E nós coa virtuosa companhia
De mil Religiosos diligentes,
Em procissão solene a Deus orando,
Para os batéis viemos caminhando.

  


89

"Em tão longo caminho e duvidoso
Por perdidos as gentes nos julgavam;
As mulheres c'um choro piedoso,
Os homens com suspiros que arrancavam;
Mães, esposas, irmãs, que o temeroso
Amor mais desconfia, acrescentavam
A desesperarão, e frio medo
De já nos não tornar a ver tão cedo.

 



<img class="rg_i" style="margin: 0px 0px 0px -14px;" src="data:image/jpeg;base64,/9j/4AAQSkZJRgABAQAAAQABAAD/2wCEAAkGBhQSERUUExQUFBUUGBcYGBUXGBgYGBoaFBcXFxoXHBUYHCYeGB0jGhUXHy8gJCcpLCwsGB4xNTAqNSYrLCkBCQoKDgwOGg8PGikkHyUsLCwsLCwpLCksLCwsKSwsKSkpKSwsLCkpLCkpLCwsLCksLCwpKSwpLCkpKSwsLCwpLP/AABEIALIBGwMBIgACEQEDEQH/xAAbAAABBQEBAAAAAAAAAAAAAAACAAEDBAUGB//EAEIQAAEDAgQDBAgDBgQGAwAAAAEAAhEDIQQSMUEFUWETcYGRBiIyUqGxwfBC0eEHM2JygvEUI5KiFRZDU5OyFyVz/8QAGQEAAwEBAQAAAAAAAAAAAAAAAAECAwQF/8QAJxEAAgICAgEDAwUAAAAAAAAAAAECEQMxEiFBBBMiFFFhMkJxobH/2gAMAwEAAhEDEQA/APU2vSL+qjc0gSmC7aOKxw66btE0JFAIPtUOdM5qAhSyhy5OHqOU6QyTMmQgppQBKo3GEQKCUhiaUpTJi5ABQmAQ50BqX+9kATSk56hlCXJASmohNZRJinQE/bJNqqtmSD0UMsmqmNVQSmLkVQicVE4qKtnTUnOfIpgEN9p7jFNka5n7kC8C/OEpNLtjSb0We0Q51n0qDHVO1D+1IsHGMo55Wizd9SXdVZDk12DVE2ZCXqPMgL0xEhcmzKEvTF6dCJHOQkoXPQOenQDuclA5qKUQenSGdG1siFCbEpmVSChcfigzDzJSoyE/ikwoRqIe0TmPsICEihGoizhCWpg1FpgSZkkORINUlIka5CXJoKRYkA/NCUsqEpgOjbob8vqogocVjCzKInOXfia32GlxjNYmDpZS5UhpNuixCZyZtwCNx037reRScE7AEGQkAmhNKGwCc0IMqcgoSEAGVFUeB3mwAuSeQAuT3I8JQqV/3QGX/vO9j+ga1N7ghvVdDw7gzKNxLnkQajruO8cmjoICxlmrRosf3MrB8AdU9atLGf8Aaabn+d4/9WnvJ0UvFMS0DsqYAY2xAEC34QBsrfGOJZBlb7RHkPz+9lgZlOJOb5SHN0qQzmWQwnL0i5dRiM4dVGWoy5ASmIAhCjJQlUmICboSEbimlOwojRBIhNboixmsKm6ftEDCjlIgZ1RP2iVkyVlEnbJZ0DnKMFICwH2TdooSUyRRZzou0CrBOlQFkPQl6gDk4SoZNKYuQoSUUAYcqOMp06rgwVXMqU5dDC0ODXZAZBBtYbbq0HLGzD/iLbC2HM95qRfnZkdyiRcXTs3WmwHcmLkJKAhNEhl90wKZxiSdBumwOGqYg+oMlOf3xF3CP+m06/zG3foplJR2OMW9APr+sGtBe91wxt3HryaOpgdVewPo4XuzYi8RFET2exlxP706bBu0GJWzw/hbKIIYLmMziZc4i0ucbn5DaFZC5Z5HI3jFIdrY02QYiuGNLjoPuEZKxOPYqYaO8/f3ooiuTobdIzatfMSTqTKjKAlNK9FLro5Wwi5BKZxQlUkIOULnIChzJ0IMuQ5kJKGVVAOYQkqu3FhzoaCW+/bLygH8VwbiQNypXBCDQSbMgzJpQKy82qi7bZUmvRB6uiC32yft1TzpCoUqGXTVQiqqpedkwqHopoZcFTuT9oqIeUWYooZe7ZI1VTD/AASNRTQFztk4qqnnS7RFD7LwqpdoqQclnSoZcc9c/hq//wBjUMyOxZ4RUj5AnvJWm+tA+91g4C+NrdKVMeYJ+ahpFJvs6/tFVx3E2UhLtTENF3GTFgqFXiRLhTpAvqu0a2CRIkSD9xcwui9HvRBtF3bVT2lc3k3azo35TtoI3xyZFHpbNIQvtlThvo5UxJD8WA2mCHMoCZMaGobf6fPkuua2BA0CZzTaDFxttyRyuRuzURTFIlDUdZS2MhxNfKCTt9FytbE5iSdT9wtXjWIinG7j+v6Ln3VF1+nhfZjlfgm7RDUMgwYOx6843CgL0nvEff3pC66owMn0f47WrEitS7MtB9YBwBIIFg7vO+y2u0UDn9UHapxjW2VKV6ROaiHtFC6sEeAwlTEfuoa3eq72f6G/jPWzepRKSirZKTloarigCGgFzneyxozPd3NFz36DchaDOEZW9piYjagDI7nu/GdPVHqj+LVa3DeCUsK0lol59uo4y93e46DoIA5Ln+I8SNV03y7D6rnU3llxWjbioK3sCrXkz9jkByAiFAX+tml0kQZcSImYh0jbXXqgLkC61FaMG2TZ7gybbTa/MaHxT5lXJSDk6FYQroxiFXThWIsGukKqgLU7W9UgJxUT5woA1OEqGTSkHKLxRsakMMPR9qowU0JDJg9IuUKUpDJ84SzhQykJSGFWIP398/guVe6tUxtRmGIc6rDQBPqAAS8u0AMG87LZZhKmMqdlRJDP+pVjTWA33jvHI3ga9Z6N+jVLCgBgl59pxuSXHmegF/lK482VaRvjhStlv0S9Fm4Snc56rgM9Q62/COTQugQUtE7yuRu9mhUxPFAyqyllcXVASIiAGxJMmwursrAwLu0x1d+1JjKQ73eu/wCMBbD3wpRco1SJKjvmPmFDXqoK9exjWFSxOJseafkmjG45iZfHL5n+3xWU5/eliq+Z5PM/ooS5epijUEcs3bJm3IF7mPNKq+579u+Fl8ZxRZSOX2nENb0LiBPlJVs1NI5rTyR4JS7vUdbEhsTJJMNaBLnE6ANFyVHQNSs/sqAD3j2nH2KY5vdz5NFyuz4H6N06BzyalUiDUdqJ/C1ujG9BruSscuZQ1s0jjctmZwf0Yc718U0DQigDmA//AEdo8/wj1R1XSuYRy6RAj6KeFDWK4HNyds6Ekukcz6UcRcCKYiC2XEbySI6CxXNmr1VrjOLL6zydjAHQKhn7l6mGHGCOSbuQ5q9Uu16qMu6BCStzMnZVvqi7RVQUYckBahEwqIuRtcmhEhSSzJBIB5T50KcIYySEoQglSMqndSMceKcJ8+6GZ2UjDACUKMuTtcnQ7JQAqgwz8U80aWZrWn/NqQREH2W2uT8FaoYR9dxp0iQR7bonID83EaDkCdl2GE4Uyg0NpgDn38ydzO64c+avijfHDyyLg3CGYekGtFhJ667nc6X3hXKdPQ779wEQpMQ6Gx4R32VTFUTUY5gcWyMsjUZiAY6wD5riN0XKdb4381KXSueqcJxbP3WJD+lVg5e826zsdxnF0KdQVaDXNyOHaU3iBIIBLXXi6Vmqxcv0tP8Ar/TU9EvWouqHWtVqVJ6F0D/1Wu4z+Z+i5XgXpPQpUaVF7nUXtaBFRpbJNyQdIMzsuipYsOEtII5gyPApx0GaLUm2g6lKx6281j8ReTTkGPVF99PzWm+usLiFUCnH8w8if0VxVswbMfLZDCae9IvXqo43sxuMuDqlJh0aS899mN/3PV7A4epjH9nRJbTH7yvBIHNrNi7rtqsX/hNXG1KlVoIotYS15tmye1lna59aNoF16nwHhbcOwsZYS0zED2Rp4ABcuTNVpG8IdKyfhfCaeGpCnSblAueZJ1c47krQYNDN1WxuKDKbn/hY1zv9ImPghwmMzMY+C3PBymJGYSBa3JcZvXVllz7kb/d1l8XxvZ03O8vGwWjVeD5/f30XI+lWIMtbMi562t9StMceUkiJulZgPJMncqMkonPQ5l7COIa6jJRnvQeKYhgnzIZRSgRZ7VS06irKVjUxE4cOSeVGAihAEhKQchyp8qmikSQiCGE4bzQwHAR+CEN705b1SYDlNSwr6ruzpD14kk+y0bE21JEAbwdgU9Kk5zgxkZjckn1WtmC90bXsNzAC7fhPCm0GACSfxOPtOOmYn4AaAWC48+bj1E6McL7Y/CuGMoMDWg7m9yS65JO7jz+ienWLqrhHqt357fPP5BXXmB8voocPSAb8fl/dcDRuVcaJLWkEhxN72AHMaXICel171NW1jw85M+QBUbWXjaw8v7qUUE0brC9MyRhKg98sb5vC6JxG/ht9lc76ZOmlSb7+Ioj4k/QJPRpi7yL+S7Xw7XNyVGscGgCHAEZeYnlB8j0WHU9FaQdmouqYczrSeQLfwmQt7G0nG7YDhcX1uJHcY8w06LNwtaWzNiYEz6o0yxsWm1+V7lWoprslTlHTI+HPdTZlqP7RwLpfufWN45RGmkaKjjngtMXvE95v8lcx7RI0GYX12gHfq3/UsSvb1iYnMTe2puStscU2jKcm7YDoAkxAFyfvkj4XwR2MILszcPsBY1f4jOlPl73cj4NwJ2MIc+WYf8LdHVf4jyZyH4rTZd9haIa0ADT6Wnrotc2f9sTPHj8sz2cOFOg9ticpBgAT6sCw0ERAFgrr23dytbwR4oW7y0d4zD9fis/FcDp1aheXVWucB6zKjm2ANoBiLct1xuzdU9lP0lqTQFJpvXqMp+DnS7/a0rVe2WwJAPmIXL8R4ZWGKo02Vy/K19VvatBDSIYJLIJnMe6FcqcYxFJpNXDh496i8HxLHw4fFSn2bOFxSi0adWplBM9wnpz5ri+LVy6oelvL+66XG4kHMAYPmJMLkKxMm83N13+mj8rOHK+qInIU5Qr0TmsRQuCRQEqhDogOijlOCkBI2qOY81K2sOY81xhrI21dt/BNMbR2raw5jzR9uOY81xbnH7/JP2+/31RQqO27Ycx5ou1HMeYXENrzcER/MPsKRtXrPT9UBR1PDeKCoaoMDsqrmW3Au0/MeCv5xzHmvLcFii3FuvEl07zqdLgroamJ0IEc72noNR8e/llB3suUaO0bUHMI6YLnNY0Bz3mAJ+J5AC5P1suRwOGfU0kiQLT6xOjG2u469wJNgu74Fw0YNn+cxxqVD7VN8Ai2WnLSIPSfWjpAx9RlUOlsvFjvtnUcE4OKFMA3ebvfu4/kNAPzK0oWVgeM0icgL2O92q17XctagvtudVpPK8xnUVcdX9ZrN3GPgSf9rX+MKwyqCYG2qxKfEw9rq7bta12Wf4vI+yxh/qVejxBwDjJkmBO5iB8fqs3IpRNeg4u9cjd5A6A5RziRHmrFMW/trZR9mAWtEmBz2EfkFM37lUIBzo9rz28tu5c16WVROGiSG4hjnWJyhszJAtrvddS4iDPks+rRymWH+k7d3IdLjonSqioS4uyJmKEc7+VyPvxVHieFA9cGAYzcgdA+ORiHcpB5lTY1jXXa7I/nALT/ADDflIv5LOp8TLHZKwa2QR7zSNCQdHsjUagG/NWkQRVa4jK6xAv/AEzN/wCTMe9ip8N4U3FubnnIC5xp6B5kABx5NuY3nopcdhzTNr7tJMy0QQCYvl9W/wCJsHXNF70XYWNdrEtIm8WdAJjqBvN1WlaA6Khh8sfemw6KxTCrsxEgEgn6Kdr5GqyGBXN2jr8mn6x5qOu6DI0i/SIPlBKKrVGZvc4/Fg+qhrVogjTMP9wLfm4IoDLwdXPjsQ46U6dKn/qzPPzCuYt0SRfoNdL+Yv5qr/hmNL6lOz6hBdcmS0Fshs8thysDosrGcVkeqQHjabEHaZggx6p0m0iTFRQ5yT1+DN4rjoJ5g/QR5hZr3KjxjieeTvodZlulu53+1YLse/3nfH816Xp41ZyZDpyUxK5gY9/vHz/VMeIP95y6zE6WUJcua/4i4/jPxQHiTvfPxQFHTZkgVzA4k/3j8VIMe/3nIAqzGk/BJk7SfIj5XRscCbFv+o/JJlUE/hMAdCfPS6hastjupOO5HcB+SVPab+F/nqpBlJg6Hu+aVXEsEiAdoJH6/RUSOGD3THfAE8yCk2kYiD3y7rzTUsKHAnKecD7+KlYwBw2M9Sb9A5AGN/iexxD81MPiZEuEAtiZB2mb2kK/huMB2hknYnI7wFw7wM9OWTxmW1jB9oC4OoiDv0VAD+y4pNxk6Z1JJpWjueGekjKdT1rFrSIc0ggm8giYO1wQZuIXTYf9oBfTdTqNo1muBByuLH3tOUSJAi4aOgXmmF4myA17TAt77eXsk5m97XeCeqyj6pD8gd7svAMD2mmHC/f0WMnbuSspKtHoP/Mddrf8mpWBbqwkvBbNnNDm5T1Aj6KVn7QcUWOaTTcHgicpaROt5sYnaNF55SxFamc1J5eBBlhJiObBcDvCtVeK1HOLm+3lGZoGpcJgdY8evMvHpoGn9ztMZ6SV3tDaeWkCTIEukH2Rt7LQ1o39VRYD0mrsOV/ZviH6los6Y3kSPguMw3pU4Nh4Luodl3nQD5K5hfSGmXEy5gsATeIBtIB5uWqxYaM+eRM7Gr+1KuxzyKVEhrWkgOduSbea1OFftSqPY1zqAIcbZXidTaHDod15nxDHMc2qWvBkRqASBtGWVe4E7/KYMwBiwgnfT4prBjcqJc5VZ6jR/afQN3MqN1vDTpaLO5go/wD5Dwj5kvbG+Qx3yLrzLC4ljSGn2yX6xeHOM2MqQ1R2huBLdZ9063P8fwKf0sPDD3Wd/ivSrCukisB/MHfG0qA+kVF4yucx7SQRDgbj8QIMtdE3EHkuHZL3TbLFg4Og9SY0RYnEGkwuflItcGRfSA4bp/Tr7h7jO1o1S0Q0mpS1G9SlvOUAZ2XMgAG5hsFwcB9J34VrSxrXtcBI29WCCCNdbHefAefUPSClAOctcCCAGkEdxbAlPX449wYKpLiRmHrNzf5glhE6gggOBnSVhLHGLXdmibl4O0xf7UXAk9iGkCSA5wMmAIBbF72MgxzWdgf2lYipLg1gFyNTaY2HQ8lxWOyVGywlrh7z5BgWj1zlkybqlg2vaNv/AChpiLfjG5lOsd6D5UenH9odcOaezpkw4EZjBmDItIiL6z0QV/2h1HNINEAwbtfJnYwYtN15yzEHMM1SBO1STA/rVmriKWV0VXF0+rL3mBA1yk7yVShjZL5o7N37QHOkdm/nsb73B7ljcS9JX1SSGuDgTffqDGsx4xeVzb8TTBsZF9e0B0j3vFLBY0B2WZaTYQTA11JumowtA+VGqeIl8lzXAuEOsYJFs3QkEz1A6oGtgHSPyQPqT+LTaI+qhHaAbROxB87rphFQMm+RPln8W/OUnWtNuYiZQ06D5FhP3yKMsdoYg7S79VoSRupA7zfWUFQO0Hz+hKOrROgAHcR9UDKe4t99yYgIvBMfO+1pUwYPe+KXZHu0mxP1Qik77BSaKslIm+Qjw+sI/VES3XY6/EKPO6BAnlqPkn7U+6Tfw+qSfXYMtspj3tfy5WScySBMkXt16wohUsLEHpb5QpG5otMdf1Vkjih1dfkPhICmo0XH8ZEbGBbviVVdTeTJnwg/CFPLwPaPi0fYQIw/SWgA5pBmQdxsenesZdVxml2lE+zma4G0X2N9f7LlnMIXHmVSOrG/jQg7x++ae3d3/mhCeVjRoEAR+YVujxR43zdHCfjr8VRnkjFXnB8L+YUtDLlXEipeoHBxklzctydSQQJP9Sj/AMI0j1agmdHAt253HxUVOo3ckdYlWGN5FpjqBtNg6CUmNJEJwT9hP8vrfLRdDhsOHYOBDHtBeHE5S3K71rxN40HMLIbRIPrAt5SItHPy81ZbWfs90RzkbWg/dkvcph7dmccU9j2uFTM5ujrmLn3h4+Kt/wDMlckS4O6ZReY2AvoPEI5kgFtM/wBABO/4QCdfuyEtab9m2ebXOHTSSNwNFSyieM0H+k1Znt0WSejt/G2nRYmO4o+sZebbAWaPDuVg0mtM5CdRDnAg93qg6/UJmU2iC1pn3iZg8wNAfOFcsza2SsdPRAMGN3gH3SHSOkgJCc0ktMRqCRbQRFx0U4pgGekJZLG+/wA1hzs2UAcRiHPJLnBwJLogi5m8AW1KhFLYvtrADjfuICsOkIHv5bIti40QGgJ9ox/KflP1U2SlaXVOvqtMdwzD5qN1QqIuVdi6LD20RN6x5WY3zuVJwvDZ6nqyIEmYPT3baqgStzgeHZkL7uJtF7R0EzqLrbFHlIym6RPUwsj8ROliXD/1RGj/ABPBn+O9tOXwV3/EW1LY5j9dVFUlxu6B19U8tV3Ujl5A07fhOnIxpa5Rb72vt8fsKFoBdZ4Pff5BNUjNYtnlMfRNCHzzq13f/YoH1Bu1x8PyKT6fUz3yB5G6iq0OTneDZ+ZlFgOyrGz45EW/VSsrGND8FWbhp0Lp2nXr99VO1pFiT5N/NSOkSdlGp+/FNnDZ36Q34EgIH1hMSInoPqpg7k74X8yYQgYjiiBYEDz+ikbi4gkvvFoHjAhDV4e1+rj8o8lCcAwXcWnqX3/NPsXRbGNMwG1BzJH5fVSduBEZ51iJ3uLlU6dVsxmc4cuXiUbWUhPtd8wO+x+CYFovDjEuAOoygyDqCSVh8R4Q5riW+HUE2N9dx4FX6nHWUxYFx2veeZn5KtivTWu9mQilkGg7KmSJ3Di0unrKwzNVXk1xpmHWokG4RYTBvqODWNc8nQNBJ8gtcekwLMtXDYaryfkdTeI60nNnxCXDuP0qTg5uHIeDqKzhb3btkd4M6LlNiNvoZjCCf8NWgbljgPiFlVcI5urXDvELr8R+1HFvpVKTnFwqGziTna2ZyhzY89VVxvp7XrUxTfTovDRGZzMzzrc1JzSZOhGqAtnLQpRTYR7RB5EWOu4PzCV7eqNZ0N/0stB3E/WluGoNkWbkc6OozuJ85Q0OyHD8KquE0y12tmPbm/8AGSHfBEcJiG60397mH5kLSw/pRiWty0+yo6S6lRpsfHV7W5o6Sug4V+0nGCuH1Xl7C0NLAcrABHrZWb2N955WSUGxcqOIp4uDds9xI5dVIzEtJ0dHIEdOnOV6bxP0j4VXcx1XDPc5gMwyM0ndzHMmOolYXE6vCiZp4OuBf/qkD/TJjfdL2/wHunKdrTJjM8DqBz55lCXNEw7zBC1cTUwm2EqNEAH/ADiTzkEsIB8u5ZuLoUCJYarD7r2hwNtQ9pG+0HvQ8VFe4RmsOfzSzj3m/H8lRLeRTKeBfNlx1TqPihMayPj+SrBtvv5omtOsEgJ8KFyJqjQJGYHuuPOVGXDr8EwBicpjneEDj0hFDtDkSYAMrrf8axrWtEAMAbcC8W0InbVYHBMEX1mQWtIIPrOaPIOInzXRcVrAPP8Ak54tnEQZ3sT5yurDSs58vfQD8VTcZDyI5E+cAIW4tkQXl3RzvzVOpxEBv7uD1baPNRDikj2GeFvqt+SMuJpZKX8Ino2/xuou3YbDLPKdfC0LOMG5aRP8VvijeI0ZPcf01RYqJnVYJ9ZgnaB8wUP+IeTAcPJVamQ6tIPh81H2bItmF5i8d+qTb8DpF6pUc7l4C/wKJlJ8b+Q/NUqVJvM+MqTL/EfM/mi7HRNUHrDvRs3++aSSI6Ew8UbKbCtkCeSSS08kii5++SqYw2++qSSh6GzHq6qNqSS42dKHhTZRy+5SSSBieFZpap0lS2JkdQ28VWLiDqkkhgWH6K1hx6rTvKSS0gQyzSEgSoSfV++iSS0IHfeZv3qpVFgkks5

publicado por OPTD às 12:29

Um blogue de apoio às minhas aulas e a todos os que gostam da Língua Portuguesa (e Francesa) e tudo...
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


links
pesquisar
 
Contador (desde Julho 2009)

contador gratis
subscrever feeds
blogs SAPO