O Professor tira dúvidas

Julho 06 2009

 http://www01.madeira-edu.pt/projectos/.../Testes/.../tes_rec-Un2.doc

 

 

 
ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DO ESTREITO DE CÂMARA DE LOBOS
 

 
Ensino Secundário Recorrente por Unidades Capitalizáveis
Modelo de Teste – Unidade 2
 

 
 
O Tombo da Lua
à
            Uma ocasião, quando desapareceu a Lua, eu estava lá e sei contar tudo. Não me lembro da idade que então tinha e já na altura me não lembrava. Certo é que a noite estava muito quente e repassada de azul, assim de tinta ¾ soé dizer-se ¾ e a Lua tinha-se quieta, redonda e branca, brilhante como lhe competia. Provavelmente o Zé Metade cantava o fado, postado à soleira da porta, enquanto acabava um saquitel de tremoços. O Zé Metade é assim chamado desde que lhe aconteceu uma infelicidade: quis separar o Manecas Canteiro do Mota Cavaleiro quando eles se envolveram à facada na Esquina dos Eléctricos, por causa de uma questão, segundo uns política, segundo outros de saias. Ambos usavam grandes navalhas sevilhanas e o Zé caiu-lhes mesmo a meio dos volteios. Ali ficou cortado em dois, sem conserto, busto para um lado, o resto para outro. Daí para diante ficou conhecido por Zé Metade, arrasta-se num caixote de madeira com rodinhas e deu-lhe para cantar todas as noites um fado melancólico e muito sentido: Ai a profunda desgraça / Em que me viste ó `nha mãiiii…
            Pois foi nesta altura, com tudo assim quieto e a fazer olho para dormir, que o Andrade da Mula se chegou à janela e disse: “Lá a calari…” e depois remirou em volta a ver se alguém lhe ligava, o que não aconteceu.
            Após olhou para o Céu e bocejou um destes bocejos do tamanho duma casa, escancarando muito a bocarra que era considerada uma das mais competitivas da zona oriental. E então aconteceu aquilo da Lua.
            Deslocou-se um bocadinho assim como quem se desequilibrou, entrou a descer devagar, ressaltou numa ponta de nuvem que por ali pairava feita parva, e foi enfiar-se inteirinha na boca do Andrade que só fez “gulp” e esbugalhou os olhos muito. No sítio da Lua, lá no astro, ficou um vinco esbranquiçado como dobra em papel de seda que logo se apagou e o céu tornou-se bem liso e escorreito. O Beco ficou um tudo nada mais escuro e um gato passou a correr, pardo, da cor dos outros.
            Diz o Zé Metade, no fim duma estrofe: “Ina cum caraças!”
            Vai o Andrade lá de cima e atira o maior arroto que jamais se ouviu naquele Beco.
            Era o Zé Metade a berrar para dentro: “`nha mãe, venha cá, senhora, co Andrade engoliu a Lua!” e o Andrade a olhar para nós, limpando a boca com as costas da mão, um ar azamboado.
            Seguiu-se o alvoroço costumeiro sempre que havia novidade. Ia um corrupio de pessoal na rua a falar alto e um ror de gente em casa do Andrade que estava sentado numa cadeira, pernas muito afastadas, pedindo muita água e queixando-se de que sentia a barriga um bocado pesada.
            ¾ Ele não teve culpa, tadinho, que ela é que se lhe veio enfiar pela boca dentro ¾ comentava a mulher do Andrade, torcendo a ponta do avental.
            ¾ Mas se foi ele que a desafiou ¾ gritava a mãe do Zé dando punhadas de uma mão na palma da outra mão. ¾ Pôr-se ali na janela aos bocejos, olha a farronca! Agora vem esta a querer baralhar género humano com Manuel Germano. O meu Zé viu tudo, óvistes?
            Não tardou, estava o presidente da Junta, muito hirto, no seu casaco de pijama com flores:
            ¾ Isto o meu amigo o que fazia melhor era regurgitar a Lua, ou o Beco ainda fica mal visto ¾ observou com gravidade e voz de papo.
            E o Andrade, moita, ali embasbacado, com os olhos no vago.
            Deram-lhe azeite para o homem vomitar, mas nada. Limitou-se a produzir uns sons equívocos e a esboçar um ar de enjoada repugnância.
            ¾ O pior é que se ela sai pelo outro lado nos parte a sanita nova ¾ abespinhava-se a filha do Andrade, toda de mão na anca. ¾ Que coisa mais escanifobética…
            É levarem-no já para o hospital ¾ gritava o Zé Metade da rua, ansioso por se ver acompanhado na sua desgraça de vítima do escalpelo cirúrgico.
            Mas o presidente da Junta considerou: Então e depois a Lua onde é que a punham? Quem lhes garantia que ela voltava ao sítio? E se os médicos quisessem ficar com ela lá no hospital e a prantassem dentro dum frasco com álcool? Que é que aquela gente ganhava com isso? Hã? E em faltando a Lua, quais eram os inconvenientes? Hã?
            ¾ Acabam-se as marés ¾ disse o Paulino Marujo.
            ¾ Coisa de pouca monta ¾ afirmou uma mulher. ¾ As marés nunca deram de comer a ninguém. E quanto à luz, depois da electricidade…
            ¾ Então como é que o amigo se sente? ¾ Perguntou o presidente ao Andrade.
            ¾ Menos mal, muito obrigado. Vai um pedacinho melhor…
            ¾ Então é melhor ficarmos assim ¾ recomendou o Presidente. ¾ Vossemecê agora toma um bicarbonatozinho, um leitinho, e ala para a cama que amanhã é dia de trabalho. E vocês todos, andor, para casa, em ordem e não se pensa mais em tal semelhante!
            E assim foram fazendo, aos poucos e poucos.
            No dia seguinte, a Humanidade toda estranhou muito o desaparecimento da Lua e deu-se a grandes especulações.
            Era com algum orgulho que a população do Beco via passar o Andrade. Sempre gaiteiro, apenas um pouco mais gordo.
 
 
Mário de Carvalho, Casos do Beco das Sardinheiras
 
 
 
 
 
 
 
 
I
 
            Após a leitura atenta do texto, responda, de forma clara e completa às seguintes questões.
 
Acção
1. Indique o modo de organização das sequências narrativas presente no conto e justifique devidamente a sua resposta.
 
2. Classifique a narrativa indicando se é aberta ou fechada. Justifique a sua resposta.
 
Espaço e Tempo
1.    Identifique o espaço e o tempo em que a acção decorre, transcrevendo expressões do texto.
 
2. Caracterize o espaço social presente no conto, justificando a resposta dada com passagens textuais.
 
Personagens
1. Identifique as personagens do conto.
 
2. Classifique as referidas personagens quanto ao relevo e concepção, justificando a sua resposta.
 
3. Caracterize as personagens principais, exemplificando com referências textuais sempre que tal for necessário.
 
4. Identifique os processos usados na caracterização das personagens. Justifique a sua resposta.
 
Narrador
1. Classifique o narrador quanto à presença, à ciência e à posição. Apresente uma justificação para a resposta dada.
 
2. Seleccione um excerto narrativo e outro descritivo.
 
Recursos estilísticos
1. Identifique dois recursos estilísticos, referindo o seu valor expressivo.
 
 
II
 
 
1. Tendo como referência o estudo realizado sobre o conto literário, coloque V (verdadeiro) ou F (falso), de acordo com a veracidade ou a falsidade das afirmações apresentadas.
 
1.1. O conto é um texto narrativo. …………………………………………………….
 
1.2. O texto narrativo não inclui a descrição. ………………………………………..
 
1.2. A acção fechada revela-nos o destino final das personagens. ………………
 
1.3. O conto é, geralmente, uma narrativa longa, com um elevado número de personagens, uma acção complexa e com referências temporais amplas. …………………………………………………………………………………………….
 
1.4. O espaço físico é sempre interior………………………………………………..
 
 
III
 
 
1. Leia atentamente as afirmações seguintes e, de acordo com o estudo que fez do texto informativo assinale V (verdadeiro) ou F (falso).
 
1.1. O discurso informativo não deve ser claro, correcto e conciso. ………………................................................................................................……..
 
1.2. O objectivo principal é informar, logo a linguagem é denotativa, rigorosa, directa e objectiva. ……………………………………………………………………..
 
1.3. A notícia é um texto de fronteira entre o literário e o não-literário. ……………….........................................................................................................
 
1.4. Na crónica predomina a função informativa da linguagem. …………………...........................................................................................………
 
 
2. Das duas opções apresentadas seleccione apenas uma.
 
2.1. Com base no conto elabore uma notícia, atendendo à sua estrutura característica.
 
2.2. Tendo como pano de fundo o conto, redija uma crónica, não esquecendo os moldes em que esta se baseia.
 
 
 
 
 

 

ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DO ESTREITO DE CÂMARA DE LOBOS
publicado por OPTD às 07:31

Julho 06 2009

cf

publicado por OPTD às 07:28

Julho 06 2009

http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fale/article/viewFile/4745/3574

 

http://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/6236/1/O%20homem%20que%20engoliu%20a%20lua.pdf

 

publicado por OPTD às 07:27
Tags:

Julho 06 2009

http://www.scribd.com/doc/7273546/Significados-de-O-Tombo-Da-Lua

publicado por OPTD às 07:27

Julho 06 2009

 

 

 

O Tombo da Lua
 
 
 
 
 
            Uma ocasião, quando desapareceu a Lua, eu estava lá e sei contar tudo. Não me lembro da idade que então tinha e já na altura me não lembrava. Certo é que a noite estava muito quente e repassada de azul, assim de tinta ¾ sói dizer-se ¾ e a Lua tinha-se quieta, redonda e branca, brilhante como lhe competia. Provavelmente o Zé Metade cantava o fado, postado à soleira da porta, enquanto acabava um saquitel de tremoços. O Zé Metade é assim chamado desde que lhe aconteceu uma infelicidade: quis separar o Manecas Canteiro do Mota Cavaleiro quando eles se envolveram à facada na Esquina dos Eléctricos, por causa de uma questão, segundo uns política, segundo outros de saias. Ambos usavam grandes navalhas sevilhanas e o Zé caiu-lhes mesmo a meio dos volteios. Ali ficou cortado em dois, sem conserto, busto para um lado, o resto para outro. Daí para diante ficou conhecido por Zé Metade, arrasta-se num caixote de madeira com rodinhas e deu-lhe para cantar todas as noites um fado melancólico e muito sentido: Ai a profunda desgraça / Em que me viste ó `nha mãiiii…
            Pois foi nesta altura, com tudo assim quieto e a fazer olho para dormir, que o Andrade da Mula se chegou à janela e disse: “Lá a calari…” e depois remirou em volta a ver se alguém lhe ligava, o que não aconteceu.
            Após olhou para o Céu e bocejou um destes bocejos do tamanho duma casa, escancarando muito a bocarra que era considerada uma das mais competitivas da zona oriental. E então aconteceu aquilo da Lua.
            Deslocou-se um bocadinho assim como quem se desequilibrou, entrou a descer devagar, ressaltou numa ponta de nuvem que por ali pairava feita parva, e foi enfiar-se inteirinha na boca do Andrade que só fez “gulp” e esbugalhou os olhos muito. No sítio da Lua, lá no astro, ficou um vinco esbranquiçado como dobra em papel de seda que logo se apagou e o céu tornou-se bem liso e escorreito. O Beco ficou um tudo nada mais escuro e um gato passou a correr, pardo, da cor dos outros.
            Diz o Zé Metade, no fim duma estrofe: “Ina cum caraças!”
            Vai o Andrade lá de cima e atira o maior arroto que jamais se ouviu naquele Beco.
            Era o Zé Metade a berrar para dentro: “`nha mãe, venha cá, senhora, co Andrade engoliu a Lua!” e o Andrade a olhar para nós, limpando a boca com as costas da mão, um ar azamboado.
            Seguiu-se o alvoroço costumeiro sempre que havia novidade. Ia um corrupio de pessoal na rua a falar alto e um ror de gente em casa do Andrade que estava sentado numa cadeira, pernas muito afastadas, pedindo muita água e queixando-se de que sentia a barriga um bocado pesada.
            ¾ Ele não teve culpa, tadinho, que ela é que se lhe veio enfiar pela boca dentro ¾ comentava a mulher do Andrade, torcendo a ponta do avental.
            ¾ Mas se foi ele que a desafiou ¾ gritava a mãe do Zé dando punhadas de uma mão na palma da outra mão. ¾ Pôr-se ali na janela aos bocejos, olha a farronca! Agora vem esta a querer baralhar género humano com Manuel Germano. O meu Zé viu tudo, óvistes?
            Não tardou, estava o presidente da Junta, muito hirto, no seu casaco de pijama com flores:
            ¾ Isto o meu amigo o que fazia melhor era regurgitar a Lua, ou o Beco ainda fica mal visto ¾ observou com gravidade e voz de papo.
            E o Andrade, moita, ali embasbacado, com os olhos no vago.
            Deram-lhe azeite para o homem vomitar, mas nada. Limitou-se a produzir uns sons equívocos e a esboçar um ar de enjoada repugnância.
            ¾ O pior é que se ela sai pelo outro lado nos parte a sanita nova ¾ abespinhava-se a filha do Andrade, toda de mão na anca. ¾ Que coisa mais escanifobética…
            É levarem-no já para o hospital ¾ gritava o Zé Metade da rua, ansioso por se ver acompanhado na sua desgraça de vítima do escalpelo cirúrgico.
            Mas o presidente da Junta considerou: Então e depois a Lua onde é que a punham? Quem lhes garantia que ela voltava ao sítio? E se os médicos quisessem ficar com ela lá no hospital e a prantassem dentro dum frasco com álcool? Que é que aquela gente ganhava com isso? Hã? E em faltando a Lua, quais eram os inconvenientes? Hã?
            ¾ Acabam-se as marés ¾ disse o Paulino Marujo.
            ¾ Coisa de pouca monta ¾ afirmou uma mulher. ¾ As marés nunca deram de comer a ninguém. E quanto à luz, depois da electricidade…
            ¾ Então como é que o amigo se sente? ¾ Perguntou o presidente ao Andrade.
            ¾ Menos mal, muito obrigado. Vai um pedacinho melhor…
            ¾ Então é melhor ficarmos assim ¾ recomendou o Presidente. ¾ Vossemecê agora toma um bicarbonatozinho, um leitinho, e ala para a cama que amanhã é dia de trabalho. E vocês todos, andor, para casa, em ordem e não se pensa mais em tal semelhante!
            E assim foram fazendo, aos poucos e poucos.
            No dia seguinte, a Humanidade toda estranhou muito o desaparecimento da Lua e deu-se a grandes especulações.
            Era com algum orgulho que a população do Beco via passar o Andrade. Sempre gaiteiro, apenas um pouco mais gordo.
 
 
Mário de Carvalho, Casos do Beco das Sardinheiras
publicado por OPTD às 07:25
Tags:

Um blogue de apoio às minhas aulas e a todos os que gostam da Língua Portuguesa (e Francesa) e tudo...
Julho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

13
15
18

25

30
31


links
pesquisar
 
Contador (desde Julho 2009)

contador gratis
subscrever feeds
blogs SAPO