O Professor tira dúvidas

Abril 26 2017

 

 

›Do texto dramático à representação teatral

 

O texto dramático é uma composição textual, tal como o texto narrativo ou o texto poético, mas

com uma organização especial, pois destina-se a ser representado.

 

›O espaço do teatro

›Bilheteira:local onde se compram os bilhetes para o espetáculo;

›Plateia, balcões e tribuna:locais destinados ao público;

›Plateia:situa-se abaixo do palco;

›Balcões:local que rodeia a plateia;

›Tribuna:local destinado aos convidados e às personalidades importantes;

›Palco:estrado onde os atores se movimentam e onde se encontram cenários e adereços diversos, que pretendem recriar o ambiente onde se desenrola a ação dramática.

 

›Intervenientes no espetáculo teatral

›Encenador: concebe o espetáculo teatral a partir do texto dramático, dirige os atores nos seus papéis e comunica o que pretende aos outros intervenientes, como o cenógrafo, o sonoplasta, entre outros;

›Dramaturgo:autor de textos dramáticos;

›Ator:interpreta as personagens;

›Cenógrafo: imagina, cria e realiza o cenário de uma peça teatral;

›Aderecista:auxilia o cenógrafo, ornamentandoo palco e selecionando adereços

que caracterizem as personagens;

›Luminotécnico ou técnico de luz: responsável pelos efeitos de luz ao longo de uma peça teatral;

›Sonoplastaou técnico de som: técnico responsável por todos os efeitos sonoros durante uma peça de teatro;

›Figurinista: cria e concebe o guarda-roupa parao espetáculo.

 

›Breve história do teatro

›O homem primitivo já fazia danças dramáticas ou rituais de agradecimento ou celebração.

O teatro, tal como o conhecemos hoje, nasceu na Grécia Antiga nas festas em honra do Deus Dionísio e aí se realizavam concursos entre dramaturgos. Inicialmente havia apenas dois géneros: a tragédia e a comédia. Os espetáculos eram representados exclusivamente por atores do sexo masculino, que usavam máscaras para personagens do sexo feminino e os espetáculos decorriam em grandes auditórios ao ar livre construídos para o efeito.

 

›Estrutura do texto dramático

›Atos: grandes núcleos de ação que se distinguem, normalmente, por uma pausa na representação. Os atos dividem-se em cenas e/ou quadros;

›Cenas:começam e acabam com a entrada e a saída das personagens da ação.

 

›Texto principal e texto secundário

›Texto principal: corresponde às Falas das personagens, ao texto verbalizado pelos atores durante o espetáculo;

›Texto secundário: é constituído pelas indicações cénicas ou didascálias; aparece geralmente entre parênteses

ou em itálico. Fornece indicações imprescindíveis para a peçaser representada da forma como o dramaturgo a idealizou, nomeadamente sobre o cenário, a caracterização das personagens, a entoação de voz, os gestos, movimentos e atitudes, entre outros.

 

Modos de expressão e tipos de cómico

 

O texto dramático é uma composição textual, tal como o texto narrativo ou o texto poético, mas com uma organização especial, pois destina-se a ser representado.

 

›Modos de expressão

›Diálogo: modo de discurso em que duas ou mais personagens conversam entre si;

›Monólogo:modo de discurso em que as personagens podem falar em voz alta para si mesmas, sem se dirigirem a ninguém;

›Aparte:modo de discurso em que uma personagem fala, geralmente para o público, apresentando um pensamento ou comentário que pretende esconder das outras personagens.

 

›Tipos de cómico

›Cómico de linguagem:o vocabulário e o tipo de discurso provocam o riso;

›Cómico de carácter:a maneira de ser da personageme a forma como se apresentaprovocam o riso;

›Cómico de situação:o que a personagem faz, as situações em que se coloca durante a sua atuação provocam o riso.

 

Escola Virtual

 

 

 

 

publicado por OPTD às 21:43
Tags:

Abril 18 2017

1. Escolher um poema (sem ser do manual, no google, por exemplo) de Eugénio de Andrade ou António Ramos Rosa ou Miguel Torga ou Manuel da  Fonseca ou António Gedeão ou José Régio ou Sebastião da Gama ou Florbela Espanca ou Vitorino Nemésio ou Ruy Cinatti ou Alexandre O'Neill ou David Mourão-Ferreira;

2. preparar uma leitura expressiva do poema escolhido;

3. resumir o tema do poema, fazer a análise formal do poema (estrofe, verso, rima);

4. escolher um verso, palavras, partes de versos... do texto original e criar um novo poema;

5. ler o novo poema e entregar o texto assinado.

 

Resultado de imagem para ler poesia

 

http://noticias.universia.com.br/atualidade/noticia/2012/09/06/964602/5-dicas-ler-um-poema.html

 

 

Resultado de imagem para ler poesia

 

 

publicado por OPTD às 18:28
Tags:

Abril 05 2017

Resultado de imagem para leandro rei da helíria

alice-vieira-leandro-rei-da-heliria

 

texto integral:

https://docs.google.com/viewer?a=v&pid=sit

es&srcid=ZXNjYXN0cm92ZXJkZS5lZHUucHR8ZmluZXphcy03LW8tYS1lLTktby1ifGd4OjNmNWZiZTY3ZTE2ODYwMA

 

vídeos da peça:

www.youtube.com/watch?v=M57TLF5enUQ

 

www.youtube.com/watch?v=Bfqf-hl52kk

 

 

 

publicado por OPTD às 19:36
Tags:

Abril 05 2017

Resultado de imagem para teatro

texto-dramatico

publicado por OPTD às 19:34
Tags:

Março 22 2017

piramide-de-aprendizado-William-Glasser-professora-coruja.jpg

publicado por OPTD às 16:01

Fevereiro 28 2017

 

A natureza ensina-nos lições de vida que os homens deviam aprender...

lobos.jpg

 

 

 

Numa alcateia, os 3 primeiros lobos são os mais velhos ou doentes e vão na frente para marcar o ritmo do grupo.

 

Se fosse ao contrário, estes ficariam para trás e perderiam o contacto com a alcateia. 

 

Logo atrás, seguem-se os 5 mais fortes e no centro seguem os restantes membros da alcateia.

 

No final do grupo, seguem os outros 5 mais fortes e em último, sozinho, segue o lobo alpha que controla tudo desde a parte traseira. 

 

Nessa posição, consegue controlar todo o grupo, decidir a direcção a seguir e antecipar os ataques dos adversários.

 

A alcateia segue ao ritmo dos anciões e sobre o comando do líder que impõe o espírito de entreajuda não deixando NUNCAninguém para trás.

 

O verdadeiro sentido da caminhada não é chegar em primeiro, mas sim, chegarmos JUNTOS.

 

publicado por OPTD às 12:26

Fevereiro 13 2017

CF. 264/270

 

1. encontrar o verbo

2. perguntar ao verbo «quem?»

3. a resposta a essa pergunta há de ser o sujeito e o resto o predicado, que começa sempre pelo verbo

 

GN       GV        GN

A Ana comeu o bolo.

Sujeito Predicado

 

1 GN

A Maria                 comprou um livro.

Ela

Elas                        compraram o livro.

Sujeito Simples              Predicado

 

1GN     +    1GN

A Maria e a Ana foram ao cinema.

Sujeito composto (Suj simples+sujeito simples)

 

1GN

Elas foram ao cinema.

Sujeito simples

 

GN+GN

Eles e elas foram ao cinema.

Sujeito composto

 

(EU) Gosto muito desta turma.

Sujeito nulo subentendido (eu-vós)

 

(Tu) Viste o filme ontem?

Sujeito nulo subentendido

 

(?/eles(as)) Dizem que a PAI vai ser no dia 14/03.

(?) Diz-se que a Pai….

Suj. Nulo indeterminado (3ª pessoa do plural - eles/as)

 

Chegaram atrasados, os alunos.

                                      Suj. Simples

 Chorou toda a noite aquele bebé!

                                      Suj. simples

 

(EU) Vou contar uma história, Samuel.

Suj. Nulo subentendido               Vocativo

 

Samuel,  (TU)  vens ao apoio hoje?

Vocativo Suj. Nulo subentendido

 

(EU) Já te disse, Samuel, para te calares!

Suj. Nulo sub     Vocativo

 

Ó Samuel, (TU)  ouviste?

Vocativo     Suj. Nulo subentendido

 

                             GN

A Joana comeu o bolo

A Joana comeu-o

                            CD

A Joana comeu a maçã

A Joana comeu-a

 

A Joana viu o Pedro.

A Joana viu-o.

                     CD

 

-o/-a/-os/-as } complemento direto (geralmente um GN, uma «coisa», mas pode ser uma pessoa)

                                       GPREP

A Joana deu um beijo à mãe.

                            CD          CI

Deu-o/deu-lhe

A Joana ofereceu gomas aos colegas.

                                    CD            CI

Ofereceu-as/ofereceram-lhes

 

-lhe/-lhes } complemento indireto (geralmente uma pessoa/GPrep: à, às, ao, aos)

 

A Joana levantou-se de manhã. GPrep

O Pedro caiu aqui. GAdv

A Maria é de Braga. GPrep

Ele foi a Setúbal. GPrep

Ela portou-se bem. GAdv

                       CO

 

Complemento oblíquo (quando não é CD ou CI./geralmente GPrep/GAdv)

 

A carta foi entregue pelo carteiro.

O teste foi feito por mim.

 

Complemento agente da passiva (em frases passivas, Gprep começado por: POR, PELO/A, PELOS/AS)

 

Ela é linda. GAdj

O chão é de madeira. GPrep

Ele fica em Paris. GPrep

O teste será amanhã. GAdv

Eu estou aqui. GAdv

                PredSuj

 

Com os verbos copulativos: SER, ESTAR, FICAR, PARECER, PERMANECER, CONTINUAR, TORNAR-SE, REVELAR-SE (250), tudo o que está à direita do verbo é Predicativo do Sujeito.

 

Ontem tive teste de Português.

Tive teste de Português ontem. GAdv

Tive teste de Português.

 

Vi o Rafael na discoteca. GPrep

Na discoteca, vi o Rafael.

Vi, na discoteca, o Rafael.

Vi o Rafael.

 

Telefono quando chegar. Oração

Quando chegar, telefono.

Telefono.

 

O Modificador pode mudar de posição ou ser eliminado, sem tornar a frase agramatical.

 

 Resultado de imagem para funções sintáticas

 Resultado de imagem para funções sintáticas

 

 

SUJEITO

SIMPLES

GN

 

Det+N

ou

pronome

 

SUJEITO

COMPOSTO

GN+GN

Det+N+e+det+N

Ou

Pron+e+pron

 

SUJEITO

NULO SUBENTENDIDO

Eu, tu, ele/a, nós, vós

 

Como sujeito não visível de um verbo

 

SUJEITO

NULO INDETERMINADO

Eles/as/?

 

Alguém indeterminado, um sujeito desconhecido de um verbo

 

 

VOCATIVO

No início, meio ou fim da frase, geral/ marcado por vírgulas, em discurso direto, frases interrogativas, exclamativas, imperativas…

 

Não substitui o sujeito, nem deve ser confundido com o sujeIto: é o destinatário da frase

 

COMPLEMENTO

DIRETO

TESTE pronominalização: -o, -a, -os, -as

 

Geral/ uma coisa

 

GN

COMPLEMENTO

INDIRETO

TESTE pronominalização: -lhe/-lhes

 

Uma pessoa

 

GPREP

À, às, ao, aos

 

COMPLEMENTO

OBLÍQUO

Não pode ser CD/CI

 

Locais, modos…

 

GPREP

De, em

 

GADV

 

COMPLEMENTO

AGENTE DA PASSIVA

Não pode ser CD/CI

 

Frases passivas

v. ser + v. principal

 

GPREP

Por, pelo, pela, pelos, pelas

 

 

PREDICATIVO DO SUJEITO

Não pode ser CD/CI, caracteriza o Sujeito

 

Verbos copulativos: ser, estar, ficar…

 

Gprep

Gadj

Gadv

 

 

MODIFICADOR

Pode mudar de posição ou ser eliminado, sem tornar a frase agramatical.

 

GPREP

Gadv

Oração

 

 

 

 

Há 10 funções sintáticas em cada frase. Identifica-as.

 

A- João, ontem, dei-te uma tarefa. A tarefa foi elaborada por mim, durante o almoço, na escola.

 

B-  Eu não percebi bem, Professor! Não o ouvi falar na aula. Estava a dormir…

 

publicado por OPTD às 16:30

Janeiro 10 2017

O bem que faz ler um livro, em 7 razões comprovadas pela ciência

09.01.2017 às 9h38

<input ... >

De fomentar a inteligência a prolongar a esperança média de vida, a leitura só traz benefícios

 

O primeiro livro impresso data do séc. XV, mas antes de Cristo já o Homem começara a escrever em folhas de papiro, no Egito. Desde então quase todo o conhecimento ficou gravado em páginas de livros e, nas últimas décadas, as obras publicadas cresceram ainda mais em número, assim como foram surgindo investigações sobre os benefícios da leitura.

Na semana em que a VISÃO vai começar a oferecer um livro por mês com a sua edição imprensa, no âmbito da iniciativa Ler Faz Bem, deixamos-lhe sete benefícios de ler um livro, segundo a ciência.

Alarga o vocabulário

Nenhuma atividade expõe uma pessoa a maior e mais diversificada quantidade de palavras. Mais do que assistir a programas televisivos de conversas, vulgo talk shows, ou infantis, como a "Rua Sésamo", e mais do que uma conversa de amigos, mesmo que sejam todos licenciados, é a leitura que aporta um vocabulário mais alargado, indica um estudo da Universidade da Califórnia.

Desperta a inteligência

A ciência já mostrou que a genética e a educação são fatores que influenciam a inteligência, sendo que ler é uma das principais fontes de conhecimento. Um estudo de 2014 com crianças, realizado por investigadores da Universidade de Edimburgo, na Escócia, e da King's College of London, em Inglaterra, concluiu que a evolução das capacidades de leitura "pode resultar em melhorias nas habilidades cognitivas verbais e não verbais", que "são de vital importância ao longo da vida". E quanto mais cedo se começar, melhor.

Previne doenças

Correr e ir ao ginásio são atividades físicas na moda porque o exercício fortalece o corpo e promove o bem-estar. Mas, por mais variado que seja o treino, nem todos os músculos são trabalhados. Para garantir que nenhum fica para trás, ler um livro é um bom remédio: inúmeros estudos indicam que a leitura estimula os músculos do cérebro e torna-os mais fortes, podendo atuar como fator preventivo em doenças degenerativas como o Alzheimer. Está também provado que pessoas com profissões intelectualmente mais exigentes têm menor propensão para desenvolver patologias ligadas à deterioração do cérebro.

Reduz o stresse

Nem caminhar, nem ouvir música, nem beber um chá. Nada resultou melhor do que ler um livro para acalmar um coração acelerado, segundo uma pesquisa liderada pelo neuropsicólogo britânico David Lewis, da Universidade de Sussex. Bastaram seis minutos de leitura para os níveis de stresse das pessoas que aceitaram participar diminuírem até 68%, contra um máximo de 61% quando tentaram acalmar através da música. Um chá (54%) ou uma caminhada (42%), outras alternativas avaliadas, mostraram-se menos eficazes.

Promove a empatia

Ainda que um livro seja encarado como uma companhia, ler é em si mesmo um ato solitário. Mas entre os seus benefícios encontra-se também a tendência para causar melhor impressão nos outros. Um estudo de dois investigadores holandeses mostrou que a leitura de narrativas ficcionadas influencia características própria da condição humana como a capacidade de criar empatia. E esse é um trunfo importante em qualquer relação, seja pessoal ou profissional.

Combate o envelhecimento do cérebro

Há uma relação direta entre a atividade cognitiva realizada ao longo dos anos e a perda das capacidades cognitivas associadas ao envelhecimento natural, como a memória, o raciocínio ou a perceção. Quanto maior atenção se dedicar à primeira, por exemplo através da leitura de livros, mais lenta se torna a segunda, concluiu um estudo de 2013 publicado no jornal científico Neurology, da Academia Americana de Neurologia.

Aumenta a esperança média de vida

Mais dois anos. Em rigor, 23 meses. Como a VISÃO deu conta em agosto, um estudo da Universidade de Yale, nos Estados Unidos, revelou que, em média, é esse o tempo que vivem a mais as pessoas que leem um livro 30 minutos por dia, quando comparadas com as que não o fazem. Os investigadores chegaram a esta conclusão ao fim de 12 anos de estudo, publicado no jornal Social Science and Medicine.

http://visao.sapo.pt/actualidade/sociedade/2017-01-09-O-bem-que-faz-ler-um-livro-em7razoes-comprovadas-pela-ciencia

publicado por OPTD às 19:59
Tags:

Janeiro 04 2017

 

 

 

biografia

Tudo sobre «Avó e neto contra...»

análise ppt

 

 

publicado por OPTD às 15:43

Janeiro 04 2017

 

ladino - significados

Tudo sobre «Ladino» de M. Torga

publicado por OPTD às 15:34

Um blogue de apoio às minhas aulas e a todos os que gostam da Língua Portuguesa (e Francesa) e tudo...
Abril 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
19
20
21
22

23
24
25
27
28
29

30


links
pesquisar
 
Contador (desde Julho 2009)

contador gratis
subscrever feeds
blogs SAPO